Emergência climática: Seca na Amazônia pode chegar antes do previsto e superar 2023

A comparação entre as duas fotos do Rio Negro sofrendo com a seca, e abaixo, dele quando ainda a Amazônia era a grande joia planetária, é simplesmente trágica! E essa tragédia foi anunciada ainda na década de oitenta pelo belísimo trabalho que o cineastra inglês Andrian Cowell nos deixou de herança. Esse notável joranlista, fez uma série para a tevê inglesa, ITV, que chamou de ‘Década da destruição”. São em torno de 10 a 11 vídeos que estão sob a guarda da Universidade Católica de Goiás. Entre os anos 80 e 90 ele veio todos os anos ao Brasil e cada vez nos trazia mais uma faceta do que poderia vir. E veio. E é o que vemos hoje, impotentes e por isso coniventes com esse crime contra a humanidade, além de ser contra o Brsil, praticado impunemente pelos ditadores militares, na maioria do hoje devastado Rio Grande do Sul. Num dos filmes, é entrevistado o ilustre brasileiro, recém falecido, Prof. Enéas Salati, quando nos mostra suas pesquisas na Amazônia. Trouxe-nos o conhecimento de que cada gota de chuva na Amazônia caia a cada 2 km, o que tornava a Amazônia o maior depósito dinâmico de água., puríssima, do mundo. A água na Amazônia, disse ele, está 75% acima do solo. Ou seja, o grande depósito d’água estava nas árvores, nas nuvens e nas chuvas. E assim soubemos que somente 25% da água amazônica estava nos rios de grandeza ‘amazônica’. Por isso a evidência dos ‘rios voadores’ pode ser um dos maiores presentes que a Hiléia nos legou durante milênios. E o que fazem os supremacistas brancos eurocêntricos? Secam os verdadeiros rios que sempre banharam o sul e o sudeste tornando essa área, de deserto em abundante de vida! Este é o Brasil dos ‘brasileiros’, alcunha dos português que vinham devastar o nosso continente em busca das riquezas que enriqueceu o continente Europeu. Pois esses adeptos da doutrina da colonialidade, fazem exatamente o mesmo com suas ‘commodities’. Tão criminosos como foram os milicos ditadores! Leia mais

Emergência climática: No Pantanal, incêndios disparam mais de mil por cento e bacia do rio Paraguai tem seca recorde

A doença que assola os chamados ‘ruralistas’ de devastar, destruir, arrasar e o que for preciso para chegar ao ‘dinheiro’, torna-os completamente cegos. Já que matam não só toda a flora e a fauna endêmicas, por sua fauna bovina, como matam também toda a perspectiva de futuro. Estão matando na verdade a água, um dos elementos imprescindíveis inclusive para sobrevivência de seus ‘bezerros de ouro’ que famintos e sedentos jamais alcançarão ‘níveis de mercado’, seu objetivo último. A pergunta é: como podemos, como sociedade brasileira, colocá-los em camisas de força para que sua loucura não nos leve a todos a sermos os próximos sedentos e famintos? A tendência é, com suas piromania e arrogância supremacista, gerar a destruição definitiva dos ‘rios voadores’, os que mantêm o sul e o sudeste verdes, abundantes e generosos pela possibilidade de se fazer a produção de alimentos que nutre a maior parte da população do país que vive nas costas do Atlântico. Leia mais

Emergência climática: Pantanal em chamas: fogo bate recorde com mais focos de calor do que em 2020, quando um terço do bioma foi devastado

Como a estupidez pode tomar conta de todo um país do mais alto signatário até o mais simples dos cidadãos. Estamos num processo autofágico e suicida e todos nós estamos passivos, presos nos nossos mesquinhos dia a dia e parece que, como se estivéssemos num campo de concentração, ficamos inertes e blorqueados por nossa negligência, omissão e irresponsabilidade, esperando sermos levados para a câmara de gás. Quando ficarmos afogados ou morrermos de sede, talvez só aí nos perguntaremos: por que não fizemos nada? Por nós mesmo e por todas as nossas gerações, humanas e não humanas. Leia mais

Emergência climática: Pantanal teve queda de mais de 60% na superfície de água em 2023, aponta MapBiomas

Um país que era harmônico antes da estupidez do ‘agronecrócio’. Hoje vive um ambiente totalmente desregrado e catastrófico em seus regimes de chuvas, de equilíbrio climático e de cheias ‘benéficas’. Vale a pena ver o que a ganância do supremacismo branco eurocêntrico que veio do sul pela mão da ditadura militar, fez com o regime das águas. Antes, considerado um país ‘abençoado por deus e pela natureza’ quanto a ser um dos mais equilibrados e ricos em água doce, agora vive a tragédia da loucura das águas no Rio Grande do Sul e a miséria das águas no berçário das chuvas e das benesses hídricas do Amazonas e do Pantanal. Cegos pela violência do capitalismo indigno e do dinheiro das ‘commodities’, os supremacistas optaram pela doutrina da colonialidade. Agora a grande icógnita é: como será o futuro de nosso país continente com esses desaranjos gerados pela voracidade dos ruralistas, pecuaristas e outros ‘istas’ que dominam a política, a mídia e o mercado financeiro brasileiro? E onde estamos nós, a população que à margem do banquete dos magnatas da destruição, neste embate ideológico, político e civilizatório? Leia mais

Plástico: Microplásticos descobertos em pênis humanos pela primeira vez

Sendo uma tecnologia originária de uma visão de mundo arrogante e supremacista, típicas da energia masculina tóxica, tanto presente em homens como em mulheres, é muito sintomático que seus efeitos ocorram exatamente sobre seus ícones machistas, o pênis e os testículos. A pergunta que nos fica é: “e agora, José? O que fazer?” Pois esse é o derradeiro impasse da vida tecnocrática, plastificada e sintética que optamos para vivermos nossos dias. Com a desculpa da praticidade, da ‘falta de tempo’, da ‘corrida da vida moderna’, fizemos escolhas tanto de produtos de consumo=ultraprocessados, como nas formas de guardar, conservar e transportar todos os nossos itens de consumo e de convivência diária. Ainda só se constata, já que não se fazemos nada. Não porque estejamos imobilizados sem saber o que fazer, mas sim, dramaticamente, não nos movemos por estupidez mesmo. Por estarmos tão anesteciados que nos tornamos impotentes por preguiça, desleixo e irresponsabilidade pelo que estamos não só vivendo em nossos corpos, mas pela herança insolucionável que legamos para quem está vindo depois de nós. Triste fim que optamos dar às nossas vidas, inertes e esterilizadas. Leia mais

Saúde: Amplamente utilizados e considerados seguros, esses aditivos alimentares são mais prejudiciais do que se pensava

Mais um artigo que reafirma, com base na ciência, de que os chamados ‘alimentos’ ultraprocessados são um grande engodo e um tenaz vilão. Pelo que se lê neste material será um crime darmos aos nossos filhos este tipo de alimento. E o mais trágico é não sabermos nada disso que aqui é exposto e os criminosos lobbistas fazem imensa pressão nos congressitas brasileiros que de forma venal fecham os olhos para abrir os bolsos, provavelmente, quando concordam em legislar a seu favor. Assim, tornam estes maléficos ultraprocessados livres de quaisquer controles da sociedade. E ela, negligente e omissa, nem tem o compromisso de buscar saber pelas mída internacional, como esta aqui, o que está por trás destes ‘alimentos’. Para se ver como isso tem história, ler o material que está no link, de nosso site. Ninguém poderá alegar desconhecimento! Leia mais

Saúde: Obesidade e câncer-desemaranhando uma teia complexa

Constatações de que há uma relação entre obesidade e câncer, mesmo que não absoluta. E o que nos importa esta informação? Simplesmente porque um dos fatores definitivos da obesidade que assola o mundo, está associada aos alimentos ultraprocessados e toda a química sintética que se emprega para produzi-los. Deve ficar definitivamente claro para todos nós que os alimentos ultraprocessados não vem da natureza nem são produzidos pela verdadeira agricultura que gera alimentos, mas sim é um produto feita na indústria. Isso mesmo! Não são alimentos como conhecíamos anteriormente, agora são ‘frankensteins’ criados nas fábricas. E elas são, via de regra, as mesmas que produzem venenos, medicamentos sintéticos e outras parafernálias que nos impingem enquanto não somos donos de nossas vidas! Textos como esses são os nossos gritos para que acordemos desta inércia que só nos deixa doentes e deprimidos. Leia mais

Globalização: Água – Por que o Reino Unido quer a reestatização

Realidade típica da Era Thatcher na Inglaterra e Reagan nos EUA. Esse foi o ápice da entrada no mundo, ‘empurrado’ dos dois ‘cabeças’ do Planeta, o tempo do Liberalismo, das privatizações, das chamadas ‘desregulamentações’ de tudo, da derrocada da sociedade como dona de seu destino para ser a partir de então, domada e subjugada ao Senhor Mercado! E tragicamente tudo o que era da população como suas instituições públicas onde o povo poderia ser o dono, passa a ser de alguns senhores donos planetários do capital mundial. E tivemos situações dramáticas como a da cidade boliviana de Sta.Cruz de la Sierra onde até a água da chuva não poderia ser coletada pela população. Todos tinham que beber e usar a água então privatizada. Mas numa demonstração da força do povo, essa situação foi literalmente derrubada e expulsa por movimentos populares. Belíssimo exemplo de cidadania e indignação pela ganância e arrogância do capitalismo indigno e cruel. Agora o mesmo acontece na Inglaterra de Thatcher, só com a ‘fleuma’ britânica. Revoltados, os inglês querem a reestatização das suas águas. Por que nós do Brasil precisamos passar por essa estúpida realidade e não aprendemos com os britânicos a não fazermos essa ‘imundície’ e deixemos nossas águas como um direito inalienável de todo o povo? Por que precisamos entegrar os nossos patrimônios para uns poucos se locupletarem de nossa sobrevivência? Leia mais

Emergência climática: Cientistas provam que o arco do desmatamento é o mais afetado pelas secas

Essa matéria demonstra o que a ditadura militar, com sua sanha de ‘proteger’ o país, com seu discurso falacioso de ‘integrar para não entregar’, fez com uma das nossas maiores joias, a Amazônia. Foi a partir da inescrupulosa tentativa de transferir os ‘sem-terra’, expulsos pela modernização da agricultura, fundada na agroquímica, na monocultura da soja e na voracidade dos invasores, oriundos do sul do Brasil para uma ambiente totalmente desconhecido e sensível. O mesmo que os imigrantes europeus vieram fazendo desde o século XV com todas as florestas por onde passaram, devastando toda a floresta atlântica e de araucárias dos estados do sul, agora fazem o mesmo com a Hileia Amazônica. E agora, diferente da Europa e do sul brasileiro, o resultado está aí. E tudo não em séculos como anteriormente, mas em décadas. Décadas que se magnificaram em uma destruição de milênios de um ambiente harmônico e equilibrado. E o reflexo está se dando onde? Não só nas secas e nas enchentes sem medida por lá mesmo, mas exatamente no seio de onde chegaram os primeiros colonizadores germânicos, no Rio Grande do Sul. E para entender isso vale ler o texto do historiador Eduardo Relly, também publicado pelo nosso site, no dia de hoje; Agora tudo se fecha e isso está nos levando a um sufocamento real e verdadeiro. Leia mais

Tradições: Os orgulhosos neogaúchos híbridos se transformaram em refugiados climáticos.

Há algumas publicações atrás que fizemos sobre a ação, dos agora definidos como ‘neogaúchos’ pelo historiador aqui presente nessa matéria, em nosso território brasileiro, demonstra que foram, provavelmente de forma inconsciente, dominados pela mesma ideologia dos ibéricos que aportaram por aqui no século XV em diante. A mesma prepotência, a mesma visão, mesmo nos mais empobrecidos, de sua superioridade étnica e ambiental. Tudo o que viram foram recursos de cunho econômico e nunca se conectaram, mesmo com a dificuldade da comunicação verbal, com os que aqui já habitavam há séculos. E em função de seu supremacismo, hoje vivemos em todo o país, de sul a norte, o mesmo desprezo e a mesma ignorância que arrasa com tudo e todos os seres vivos, incluindo os humanos. Deprezam ainda hoje, e vemos isso fortemente no centro-oeste, no norte e no nordeste, de tal forma a paisagem e seus habitantes racionais ou não, que devastam todos os ambientes para tentarem saciar sua voraciada insaciável e como Fantasmas Famintos, há 200 anos fazem do restante do pais, o que fizeram no sul. E são seus eurodescendentes de hoje que colhem os amargos e deprimentes frutos dessa arrogância e voracidade sem limites. E isso está tão candente que mesmo em seu continente de origem, a Europa, hoje vivem tempos de tensão com a escalada vertiginosa do neofascismo e do fundamentalismo da direita dura ou extrema direita que tem por objetivo, abocanhar qualquer palmo de terra e de vida que representar dinheiro. Mesmo que isso leve à derrocada de toda a sociedade global. Assim, o que se vive aqui é fruto dessa doutrina do capitalismo indigno, filho espúrio do supremacismo branco eurocêntrico que contamina todas as etnias planetárias. Leia mais