MST plantou 25 milhões de árvores nos últimos quatro anos em todo o país

Print Friendly, PDF & Email
2021 9 21 Plantar Arvores Semana Da Arvore Assentamento Martires De Abril PA Foto Carlinhos Luz 4 768x432

Plantio de árvores no assentamento Mártires de Abril, PA. Foto: Carlinhos Luz

https://mst.org.br/2024/01/20/mst-plantou-25-milhoes-de-arvores-nos-ultimos-quatro-anos-em-todo-o-pais/

Wesley Lima

20 de janeiro de 2024

[NOTA DO WEBSITE: Mesmo que o movimento apresente algumas situações e questões criticáveis ninguém pode lhe negar a correlação profunda que tem com a sobrevivência de todos pela produção de alimentos e pela ].

No marco dos 40 anos do Movimento,15 mil hectares de terra, equivalente a 22 mil campos de futebol, foram recuperadas nos biomas brasileiros.

Em resposta à crise ambiental sofrida no mundo, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra () lançou em 2020 o Plano Nacional “Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis”, com o objetivo de plantar 100 milhões de árvores em dez anos. Ao longo dos últimos quatro anos, o já realizou o plantio de 25 milhões de árvores e construiu um conjunto de ações em defesa do meio ambiente. 

No marco dos 40 anos do MST, a serem completados na próxima segunda-feira (22/01), as milhares de árvores plantadas atuam na recuperação ambiental de 15 mil hectares de terra, nos seis biomas brasileiros. A área plantada equivale a 22 mil campos de futebol. 

E apenas em 2023, o Movimento contabilizou o plantio de 15 milhões de árvores e deu passos qualitativos com um conjunto de ações. Foram realizadas jornadas de mobilização voltadas ao plantio nos assentamentos e acampamentos, ações de formação e estudo, como seminários e cursos, e a construção de bosques, viveiros e de Sistemas Agroflorestais (SAFs) em todo o país. 

Plantio de árvores no assentamento Bernardo Marin II, CE. Foto: Missias Bezerra e Alex Barros

Entre as diversas ações realizadas no ano, o MST destaca a semeadura de 4 toneladas de palmeira juçara no estado do Paraná; a recuperação de quase 1.000 hectares na Bacia do Vale do Rio Doce em Minas Gerais; a recuperação de áreas degradadas no Parque da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, além de mais 1.000 hectares de regeneração natural no Pará, nos viveiros e SAFs implementados nos assentamentos, escolas do campo e escolas de .

Camilo Santana, do Coletivo Nacional do Plano “Plantar Árvores, Produzir Alimentos Saudáveis”, avalia que no ano de 2023 foi possível dar um salto de qualidade nas ações do plano nacional, “saindo do campo mais símbolo e da mística do plantio e passando para a construção de ações de impacto”, aponta.

Semeadura palmeira juçara, PR. Foto: Juliana Barbosa

“Compreendemos que é fundamental a construção e massificação do plantio de árvores como estratégia de adaptação às em curso, a síntese plantar árvores e produzir alimentos saudáveis, materializada na agroecologia se apresenta como alternativa possível e viável para o enfrentamento da crise ambiental, se tratando da produção agrícola. E nossa base social tem entendido isso cada vez mais”, projeta Santana.

Perspectivas para 2024

Um grande desafio para este ano é garantir o aprofundamento em torno do estudo da crise ambiental, potencializando lutas e massificando o plantio em todo o território brasileiro. Nesse sentido, Santana explica que “as projeções apontam para a necessidade de avançar na vinculação da questão ambiental com a necessidade da Popular, enquanto saída para a referida crise”.

Jornada Nacional da Juventude Sem Terra realiza plantio de árvores, em MG. Foto: Coletivo CCJLGBT

E continua: “temos o desafio de seguir massificando ações que projetam a perspectiva ambiental popular para o conjunto da sociedade brasileira e que possibilite alterar a correlação de forças na luta ambiental vinculada à luta pela terra”, conclui.  

*Editado por Solange Engelmann

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.