Saúde: Altos níveis de alimentos ultraprocessados ​​associados à morte precoce e problemas cerebrais

Print Friendly, PDF & Email
Ultra Processed

E o consumidor ainda pensa o que vai levar para casa!

https://www.washingtonpost.com/wellness/2024/05/08/ultraprocessed-junk-food-health-risks/

Anahad O'Connor

08 de maio de 2024

[NOTA DO WEBSITE: A frase final da reportagem mostra o que move as imensas corporações que dominam o mercado de ‘alimentos' industrializados, em todo o mundo. Fica explícito de que considerar de que o que fazem como um parece óbvio. Não existem pessoas, existe dinheiro e o resto sempre será o resto! Ver artigo publicado sobre viciar em junk food que está em nosso website. É fundamental se saber o que eles fazem há mais de 25 anos].

Esses alimentos abrangem uma ampla categoria, incluindo biscoitos, donuts, batatas fritas, cachorros-quentes, pão branco e refeições congeladas.

Um grande estudo sugere que pode haver uma razão surpreendente para limitar a ingestão de alimentos ultraprocessados ​​– morte precoce.

O estudo realizado com 115 mil pessoas descobriu que aqueles que consumiam grandes quantidades de alimentos ultraprocessados, especialmente carnes processadas, alimentos açucarados para o café da manhã e açúcar e bebidas adoçadas artificialmente, tinham maior probabilidade de morrer prematuramente.

A pesquisa, publicada em 08 de maio último, quarta-feira, na revista BMJ, soma-se a um conjunto crescente de evidências que ligam os alimentos ultraprocessados ​​a uma taxa mais elevada de problemas de saúde. Os alimentos ultraprocessados ​​abrangem uma ampla categoria que vai desde biscoitos, donuts e batatas fritas até cachorros-quentes, pão branco e refeições congeladas. Os cientistas dizem que o que estes alimentos têm em comum é que são tipicamente formulações de ingredientes industriais que são concebidos pelos fabricantes para atingirem um certo “ponto de felicidade”, o que nos faz desejá-los e comê-los em excesso. Eles também tendem a ter baixo teor de nutrientes, como fibras, vitaminas e minerais.

Aqui estão algumas das principais descobertas:

  • Risco de mortalidade: quando os investigadores analisaram a ingestão de alimentos ultraprocessados, descobriram que os participantes que consumiam mais – uma média de sete porções destes alimentos por dia ou mais – tinham um risco ligeiramente maior de morrer precocemente em comparação com as pessoas que consumiam menos alimentos ultraprocessados.
  • Saúde cerebral: O estudo descobriu que as pessoas que comiam mais alimentos ultraprocessados ​​tinham uma probabilidade 8% maior de morrer de doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla, demência e doença de Parkinson. Mas não encontraram um risco maior de mortes por ou doenças cardiovasculares.
  • Risco aumentado com certos alimentos: Os pesquisadores descobriram que havia certos alimentos ultraprocessados ​​que estavam particularmente associados a danos. Estes incluíam carnes processadas, pão branco, cereais açucarados e outros alimentos do desjejum altamente processados, batatas fritas, snacks açucarados e bebidas açucaradas, bem como bebidas adoçadas artificialmente, como refrigerantes dietéticos.
  • Limitações do estudo: Os pesquisadores alertaram que suas descobertas não eram definitivas. O estudo mostrou apenas associações, não causa e efeito. Pessoas que consomem muitos alimentos ultraprocessados ​​tendem a adotar outros hábitos pouco saudáveis. Comem menos frutas, vegetais e grãos integrais, são mais propensos a fumar e menos propensos a serem fisicamente ativos. Os pesquisadores levaram esses fatores em consideração quando fizeram suas análises, mas outras variáveis ​​também poderiam ter desempenhado um papel.

Risco de dietas ricas em ultraprocessados

Nos últimos anos, estudos descobriram que seguir uma dieta rica em alimentos ultraprocessados ​​faz com que as pessoas ganhem peso rapidamente e aumenta o risco de pelo menos 32 problemas de saúde diferentes, incluindo câncer, diabetes tipo 2, doenças cardíacas, , ansiedade, depressão. e demência. Vários estudos também descobriram que dietas ricas em alimentos ultraprocessados ​​aumentam o risco de morte precoce. Mas muitos destes estudos foram relativamente pequenos, de curta duração ou não analisaram causas específicas de morte.

O novo estudo abordou essas questões analisando dados de dezenas de milhares de adultos que foram acompanhados por mais de 30 anos, disse Mingyang Song, principal autor do estudo e professor de epidemiologia clínica e nutrição na Escola de Harvard TH Chan. .

“Tem havido grande interesse tanto do público como da comunidade científica em compreender o impacto na saúde dos alimentos ultraprocessados, que agora representam mais de 60% das calorias diárias dos americanos”, disse Song por e-mail.

O estudo incluiu dois grupos, uma coorte de cerca de 75.000 enfermeiros registrados que foram acompanhados de 1984 a 2018, e um grupo de cerca de 40.000 médicos e profissionais de saúde do sexo masculino que foram acompanhados de 1986 a 2018. Os participantes responderam a perguntas sobre sua saúde e hábitos de vida, a cada dois anos, e forneceram detalhes sobre os alimentos que comiam a cada quatro anos.

Estudos anteriores descobriram que consumir muitos alimentos ultraprocessados ​​pode causar inflamação no cérebro e enfraquecer a barreira hematoencefálica, preparando o terreno para a neurodegeneração. Há também evidências de que os alimentos ultraprocessados ​​podem prejudicar a saúde geral, reduzindo a sensibilidade à insulina, perturbando a microbiota intestinal e provocando ganho de peso e inflamação crónica em todo o corpo.

Alguns alimentos são melhores que outros

As novas descobertas apoiam a ideia de que todos os alimentos ultraprocessados ​​não são iguais e que alguns, como o pão integral, por exemplo, podem até ser saudáveis, segundo editorial que acompanhou o estudo no BMJ. Alguns países implementaram medidas de saúde pública para ajudar as pessoas a melhorarem suas dietas, tais como proibir as empresas de utilizarem gorduras trans nos seus produtos, colocar rótulos de advertência em junk food açucarados e restringir a comercialização de alimentos não saudáveis ​​às crianças.

Os autores do editorial do BMJ, Kathryn E. Bradbury e Sally Mackay, duas especialistas em nutrição da Universidade de Auckland, disseram que estas e outras intervenções de saúde pública deveriam ser adotadas de forma mais ampla.

“O nosso sistema alimentar global é dominado por alimentos embalados que muitas vezes apresentam um perfil nutricional deficiente”, escreveram. “Este sistema serve em grande parte os objetivos das empresas alimentares multinacionais, que formulam produtos alimentares a partir de matérias-primas baratas em produtos alimentares comercializáveis, saborosos e estáveis ​​na prateleira para obter lucro.”

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, maio de 2024

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *