Poluentes tóxicos são uma preocupação crescente para mães grávidas e bebês

Print Friendly, PDF & Email
Mãe Negra Califórnia

Deborah Bell-Holt e sua neta estão diante de um local de perfuração de a poucos quarteirões de sua casa no sul de Los Angeles. Foto: Isabel Ávila

https://capitalandmain.com/toxic-pollutants-a-growing-concern-for-pregnant-mothers-and-babies-2

Por Dan Ross

06 de outubro de 2022

As ligações entre exposições ambientais e resultados de saúde materna permanecem pouco exploradas, apesar dos esforços recentes para recuperar o atraso.

Deborah Bell-Holt mora perto de um local de perfuração de décadas no sul de Los Angeles, onde o petróleo sugado para a superfície vem misturado com poluentes perigosos como benzeno, formaldeído, metano e tolueno. O que surge deve ir para algum lugar, e Bell-Holt está doente com a perspectiva de quanta tóxica acaba dentro dos corpos de sua família e amigos.

“Há momentos em que fico tão furiosa”, diz Bell-Holt, 69 anos, que criou seis filhos. Todos eles, como ela, sofrem de asma crônica, problema ligado à proximidade da exploração de petróleo. Algumas crianças têm problemas de pele terríveis. Seu marido luta contra a leucemia há vários anos. Como se isso não bastasse, a Bell-Holt agora se preocupa com uma nova geração. “Minha filha mais velha tem 26 anos, e ela tem um filho de 3 anos, e ambos são asmáticos, e ambos moram aqui.”

As mães grávidas que vivem perto de locais de perfuração de petróleo, por exemplo, correm maior risco de dar à luz um bebê com baixo peso, uma das principais causas de mortalidade infantil. Mais de 2,1 milhões de californianos vivem a menos 800 metros de um poço de petróleo operacional.

Bell-Holt disse que a asma de sua neta piorou. “Ela lhe dirá: ‘Meu peito dói. Não consigo respirar. E minha filha a leva imediatamente para o hospital infantil. E então ela fará um tratamento respiratório, antibióticos e esteróides. Mas os esteróides não são bons para ela. Ela é um bebê – para que ela precisa tomar esteróides para respirar?”

Um crescente corpo de pesquisas liga a exposição prolongada a poluentes perigosos e produtos químicos tóxicos no ar, água potável e ambiente da vizinhança, bem como produtos de limpeza e beleza diários, a sérios problemas de saúde para mães, bebês e bebês no útero.


Especialistas determinaram que a discriminação institucionalizada é a causa principal da alta taxa de mortalidade entre mães negras e seus bebês.



As comunidades negras e latinas parecem particularmente vulneráveis. No condado de LA, essas comunidades são encontradas desproporcionalmente em bairros altamente poluídos e sofrem taxas desproporcionalmente mais altas de morte materna e infantil.

Todos os tipos de determinantes sociais – como pobreza, qualidade da habitação, acesso a bons cuidados de saúde e taxas de – podem desempenhar um papel nos resultados da e materna. Mas os especialistas determinaram que a discriminação institucionalizada é a causa principal da alta taxa de mortalidade entre mães negras e seus bebês. Com o tempo, o estresse que isso causa tem um efeito corrosivo de “intemperismo” no corpo, predispondo as mulheres negras a condições crônicas como hipertensão e diabetes gestacional que as colocam em maior risco durante a gravidez.

Especialistas em saúde ambiental dizem que a exposição a poluentes tóxicos adiciona outra camada de estresse – outro fardo para os sobrecarregados. Um relatório da March of Dimes do ano passado, por exemplo, descobriu que a exposição ambiental era um fator chave para explicar a disparidade entre negros e brancos em partos prematuros, uma das principais causas de mortalidade infantil que está ligada a condições ao longo da vida, como problemas de desenvolvimento comportamental, dificuldades de aprendizagem e doença crônica.

No entanto, esses mesmos especialistas também alertam que a sobreposição entre exposições ambientais e resultados de saúde infantil e materna ainda é amplamente inexplorada. “Nosso sistema de saúde não está fazendo seu trabalho”, diz Tanya Khemet Taiwo, codiretora do Núcleo de Engajamento Comunitário do Centro de Ciências da Saúde Ambiental da UC Davis. “Há muitas pessoas no poder que estão apenas acordando para a parte ambiental disso.”

* * *

“Muitos fatores interferem na saúde de um bebê”, diz Bhavna Shamasunder, professora associada do Departamento de Política Urbana e Ambiental do Occidental College. Como tal, ela alerta que os pais precisam estar “super vigilantes” sobre como a exposição química em fetos e crianças muito pequenas pode danificar seus órgãos em crescimento e sistemas corporais.

Na cesta de pão da Califórnia, a região agrícola do Vale de San Joaquin, descobriu-se que crianças expostas a um agrotóxico comum no útero (nt.: aqui se está falando de um agrotóxico organofosforado e como o fósforo atua no sistema nervoso central, é lógico que trará problemas neurológicos aos contaminados. Ver documentário ‘Demain tous crétins?' e se constatará como o veneno ‘clorpirifós', que se usa no campo e na cidade, causa esses distúrbios nas crianças) têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios de atenção anos depois. Mesmo níveis minúsculos de exposição ao chumbo em crianças pequenas podem causar distúrbios neuropsiquiátricos e comportamento antissocial, e em mulheres grávidas podem atravessar a placenta e causar abortos espontâneos, baixo peso ao nascer e partos prematuros.

“Há um conjunto complexo de exposições/contaminações sobre as quais temos que pensar que têm implicações genéticas, ambientais e de saúde de longo prazo que moldam sua vida”, diz Shamasunder, apontando como fetos e bebês muito jovens são frequentemente bombardeados com muitos poluentes tóxicos diferentes em uma vez. O problema é que, acrescenta ela, “somos muito ruins em [determinar] exposições cumulativas”.

Nessa frente, no entanto, a ciência está começando a se recuperar.

Desde 2015, uma equipe de pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia (USC) está envolvida em um estudo examinando os riscos cumulativos de viver em regiões ambientalmente e economicamente sobrecarregadas, como a comunidade altamente contaminada ao redor da antiga instalação de de baterias de chumbo Exide em East LA. O estudo Maternal and Development Risks from Environmental and Social Stressors (MADRES) envolveu principalmente mulheres latinas de baixa renda, com foco particular nos resultados da obesidade materna e infantil.

“Esta é uma população de alto risco”, diz Tracy Bastain, professora associada da USC e diretora do MADRES Center for Environmental Health Disparities. As mulheres hispânicas são significativamente mais propensas a sofrer de obesidade relacionada à gravidez, por exemplo, enquanto as crianças hispânicas são duas vezes mais propensas que as crianças brancas a serem obesas aos 2 anos. “O número de desafios que ocorrem por causa das desigualdades estruturais realmente contribuem para os resultados ruins que vimos”, diz Bastain, ligando os pontos entre poluição, pobreza e saúde precária.

Até agora, mais de 1.000 mulheres foram inscritas e 800 bebês nasceram. E, no entanto, “MADRES ainda é relativamente novo”, diz Bastain. “Os estudos mais importantes ainda estão por vir.”

Dito isso, as descobertas já publicadas ajudaram a desvendar alguns dos perigos para as mulheres grávidas que vivem em bairros altamente poluídos.

Uma área-chave de foco para os pesquisadores tem sido a poluição do ar, que afeta desproporcionalmente  as pessoas de cor nos . “De um modo geral, a poluição do ar não é boa para os resultados do parto”, diz Bastain. Os pesquisadores do MADRES descobriram uma “relação significativa” entre exposições a vários poluentes do ar e crescimento prejudicado do feto, com um poluente comum chamado PM10 (nt.: partículas extremamente pequenas que pairam no ar encontradas nas poeiras e fumaças) – encontrado em emissões industriais e fumaça de incêndio – ligado à redução do peso fetal no meio da gravidez, por exemplo. Mesmo exposições de curto prazo a poluentes atmosféricos graves podem aumentar perigosamente os níveis de estresse de uma mãe grávida.

Além da poluição do ar, os pesquisadores analisaram os danos à saúde causados ​​por metais pesados ​​comumente encontrados no ar, no solo e na água potável de regiões poluídas, que levam ao aumento do risco de complicações na gravidez e ao crescimento fetal atrofiado. Os novos produtos químicos emergentes encontrados rotineiramente no mercado estão se mostrando potencialmente tão perigosos, como as substâncias per e polifluoroalquila (PFAS), uma grande família de produtos químicos onipresentes “para sempre” (nt.: hoje tratados como ‘forever chemicals') encontrados em itens do dia a dia, como roupas, embalagens de alimentos e tapetes .


Independentemente do status socioeconômico, as mulheres de cor são desproporcionalmente expostas a produtos químicos mais tóxicos do que as mulheres brancas e a mais disruptores endócrinos em particular.



Existem mais de 6.300 variantes individuais de PFAS, e a maioria das pessoas nos EUA tem pelo menos uma delas no sangue. Um estudo do MADRES descobriu que altos níveis sanguíneos de apenas um produto químico PFAS comum estão ligados a uma circunferência da cabeça fetal menor, e os pesquisadores especulam que as exposições ao PFAS durante períodos críticos do crescimento de um bebê podem causar danos ao desenvolvimento a longo prazo. Uma recente revisão do Grupo de Trabalho Ambiental (nt.: conhecida organização independente dos EUA, EWG) de 40 estudos separados descobriu que cada um relatou uma ampla gama de PFAS no sangue do cordão umbilical.

“Quando vemos mulheres grávidas que têm produtos químicos que conhecemos, bem como produtos químicos que são mais recentes em cena sobre os quais não sabemos muito, realmente temos que prestar atenção e descobrir quais são suas consequências para a saúde”, diz Matt Gillman, diretor de um programa do National Institutes of Health chamado Environmental Influences on Childhood Health Outcomes (ECHO). O programa conta com cerca de 70 grupos participantes em todo o país, incluindo o estudo MADRES da USC.

Em vez de procurar uma ligação direta entre exposições tóxicas e mortes infantis e maternas, o programa ECHO examina a forma como o ambiente pode contribuir para problemas de saúde subjacentes que tornam as mortes mais prováveis. Nas mães, esses problemas incluem doenças cardíacas, derrames, pressão alta e cardiomiopatia. As principais causas de morte em bebês incluem baixo peso ao nascer, nascimentos prematuros e anormalidades cromossômicas.

“Se descobrirmos que certos produtos químicos estão relacionados a resultados adversos no parto, o que queremos saber são as fontes desses produtos químicos para que possamos tomar medidas para reduzir seu impacto nocivo”, diz Gillman, sobre um dos principais objetivos do programa.

Preocupante para as mães e suas famílias, substâncias químicas suspeitas de causar algumas dessas morbidades são encontradas rotineiramente dentro de casa, bem como no ambiente externo.

* * *

Janette Robinson Flint é diretora executiva da Black Women for Wellness, uma organização sem fins lucrativos do sul de Los Angeles. Seu trabalho inclui educar as famílias sobre os potenciais riscos à saúde do uso de certos produtos de beleza e limpeza. E ela está frustrada.

“É pouco estudado – absolutamente pouco estudado”, diz Robinson Flint, sobre a relação entre os produtos químicos encontrados em produtos de beleza e limpeza comumente usados ​​e qualquer efeito que possam ter em mulheres grávidas e seus bebês. Mas o que está claro, diz ela, é que as comunidades de cor “estão superexpostas e desprotegidas”.

Independentemente do status socioeconômico, as mulheres de cor são desproporcionalmente expostas a produtos químicos mais tóxicos do que as mulheres brancas e a mais disruptores endócrinos em particular. Estes são produtos químicos que podem alterar as redes de resposta hormonal do corpo. Shanna Swan, uma notável especialista em toxicologia endócrina, encontrou uma ligação entre os , ftalatos e o – produtos químicos encontrados em itens comuns como embalagens plásticas de alimentos – e o declínio das taxas de fertilidade. As mulheres negras nos Estados Unidos sofrem taxas mais altas de problemas de saúde relacionados ao sistema endócrino, como diabetes, miomas e certos tipos de .

“A exposição a produtos químicos disruptores hormonais altera a probabilidade de ter uma gravidez e parto saudáveis ​​e bem-sucedidos”, diz Robin Dodson, diretor associado de operações de pesquisa do Silent Spring Institute, uma organização independente de pesquisa científica.

Para entender melhor o problema, Black Women for Wellness e Silent Spring se uniram a várias organizações locais em um estudo recente sobre o uso de produtos de consumo pessoal entre uma variedade racial e étnica de mulheres na Califórnia.


“O que será necessário para trazer a educação ambiental para as escolas de medicina?”

~ Tanya Khemet Taiwo, Centro de Ciências de Saúde Ambiental da UC Davis


Os pesquisadores por trás do estudo Taking Stock concluíram que as mulheres negras na Califórnia – e as mulheres negras em particular – correm maior risco de serem expostas a produtos químicos causadores de câncer através do uso de produtos de consumo diário do que outros grupos. O relatório defende uma redução geral no uso de produtos de beleza, especialmente produtos perfumados e aqueles que contêm parabenos e ftalatos, conhecidos disruptores endócrinos. Mas as recomendações de Robinson Flint e outros especialistas vão apenas até certo ponto – o que ajudaria mais é uma força de trabalho de saúde melhor treinada e educada em saúde ambiental.

“O que será necessário para trazer a educação ambiental para as escolas de medicina?” diz Tanya Khemet Taiwo da UC Davis. “Parte do problema é que as escolas não querem ensinar nada que não esteja no quadro. Eles estão preocupados que os alunos não prestem atenção se não estiver no quadro. Então, por que não mudamos os exames do conselho?”

Os especialistas também pedem aos departamentos de do país que eduquem e protejam melhor as comunidades vulneráveis.

“Houve algumas conversas, mas não há muito trabalho programático neste momento”, diz Deborah Allen, vice-diretora do Departamento de do Condado de LA, sobre forjar vínculos mais fortes entre os programas separados do departamento para saúde ambiental e saúde infantil e saúde materna. “Mas é algo em que estou muito interessado. Em particular, em comunidades onde foi encontrado algo como se fosse uma arma ambiental fumegante – uma área onde há a descontaminação pelo programa Superfund ou onde há exposição ao chumbo.”

Em última análise, o que é necessário, muitos especialistas ambientais argumentam, é uma mudança sistêmica das regulamentações químicas excessivamente permissivas do país, a fim de remover tóxicos perigosos antes que elas entrem no ar e na água. A remoção de poluentes na fonte, na raiz, beneficiaria mais aqueles menos capazes de escapar do perigo – pessoas como Bell-Holt, que gostariam de se mudar para ambientes mais limpos e verdes, mas não podem se dar ao luxo de fazê-lo.

“Pelo tamanho da casa que temos, me custaria muito me mudar para outro lugar”, diz Bell-Holt, sobre a casa vitoriana de seis quartos em que ela criou seus filhos. E embora ela defenda uma nova lei da Califórnia que proíbe a perfuração de novos poços de petróleo a menos de mil metros de bairros residenciais, ela não proíbe poços existentes nessas áreas. Diz Bell-Holt sobre si mesma e sua família: “Nós não somos importantes”.

Copyright 2022 Capital & Principal.

Este artigo foi produzido como um projeto para o California Impact Fund do USC Annenberg Center for Health Journalism 2022.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, outubro de 2022.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.