Emergêcia climática: Há duzentos anos…

Print Friendly, PDF & Email
Botocudos No Sul

Os Botocudos…

https://www.ihu.unisinos.br/639255-ha-duzentos-anos-artigo-de-maria-da-gloria-lopes-kopp

Maria da Glória Lopes Kopp, historiadora e doutora em Ciências Sociais

06 de maio de 2024

[NOTA DO WEBSITE: Ao se ler o texto da historiadora, pode-se constatar de como chegaram os europeus, desde o século XV, em nossas terras. Vieram não para ficar, mas para explorar o ‘eldorado' para depois de enriquecerem, voltarem para seus torrões natais, agora sim para não passarem fome nem ficarem na periferia da sociedade excludente europeia. Vê-se que nunca nem se interessaram em se integrar com os povos que já viviam aqui há séculos. E assim continua até os dias de hoje. Basta ver como se invadiu a partir da , entre os anos 60 e 80 do século XX, todo o bioma do e da . Nunca procuraram ver como os povos se integravam como os ambientes, até para construirem uma troca de conhecimentos e possibilidades de não devastando, agregar conhecimentos que poderiam alavancar os saberes tradicionais. Esses diferentes dos brancos nunca desrespeitam os aspectos essencias de todas as Vidas que formam cada um dos ecossistemas que integram os riquíssimos e belíssimos biomas que moldam as nossas paisagens. E tem sido ainda muito pior do que se disse até aqui. Além de não se integrarem com os ambientes e os povos, ainda tiveram a firme intenção não só de arrasar com os espaços naturais, mas eliminar, literalmente, todos os . Temos convivido há séculos com assassinos supremacistas brancos que se apropriam do bem comum de todos os brasileiros para seu exclusivo desfrute. E deixam atrás de si uma tal paisagem que, por total desequilíbrio ambiental, quando não são os próprios que a devastam, favorecem que ações naturais como agora as climáticas, acabem se transformando em algozes de vastos ecossistemas como está acontecendo no Rio Grande do Sul. Quando os eurodescendentes se convencerão de que não são mais europeus, mas sim brasileiros para que possamos ter uma sociedade mais inteligente por acolher todas as diversidades que nosso país dispõe, tanto de gente como de vida natural?].

“Não por coincidência, o mapa da enchente é o mesmo da região originária das matas de araucária no Rio Grande do Sul“.

As terras que agora desabam dramaticamente no Sul do , levada pelas chuvas torrenciais, foram integradas ao sistema capitalista de produção para o mercado internacional há 200 anos. Não por coincidência, o mapa da enchente é o mesmo da região originária das matas de araucária. A intensa atividade econômica exploratória, conhecida como “política de colonização”, foi iniciada com a vinda da Corte Portuguesa (1808-1821) para o Brasil. Com as novas demandas da monarquia lusitana, associada aos interesses do industrial inglês, houve um avanço no modelo de latifúndio escravizador para as terras altas de , desde São Paulo até o Rio Grande do Sul. Ali existia um magnífico território com águas abundantes, vegetação milenar exuberante e fauna diversificada que incluía variedade de aves, peixes e mamíferos. Essas terras eram ocupadas, pelo menos há seis mil anos, por populações de origem linguística jê.

A extensa formação do Planalto Meridional, que engloba os três estados do Sul e São Paulo, é um “bloco” geológico de derrame basáltico, onde terras e argilas se fixaram dando vida a uma estupenda floresta subtropical, que finda na escarpa do Rio Grande do Sul. Essa borda do planalto se estende em morros e serras de geomorfologia frágil e instabilidade evidente. Uma região com força natural gigantesca expressa na vida vegetal ali criada: florestas de pinheiros de araucárias com árvores de acácias, angicos, canelas, canjeranas, cedros, erva-mate, espinilhos, louros, palmeiras, taquaras e umbus. Território tradicional de ocupação das famílias de etnia jê. Os originários ficaram conhecidos pelos “colonizadores” como botocudos, bugres, coroados, guainás e guaianases, hoje são chamados de terenas, kaingangs, xoclengues entre outros.

Historicamente, populações guaranis também desfrutavam da generosa natureza nas partes baixas, nos vales do rios.

Para beneficiar a nobreza portuguesa, fugitiva das revoluções liberais burguesas da Europa, o príncipe regente governante, dom João VI, declarou guerra aos indígenas botocudos, senhores das matas de araucária. As forças lusitanas trataram de matar os homens das nações nativas e escravizar as mulheres e as crianças, como bem retratou o pintor Jean-Batiste Debret [1], artista francês exilado no Brasil (1816-1831).

No início, o desmatamento florestal atingiu as terras de São Paulo, para a produção e exportação de café, privilegiando os barões, a nobreza titulada lusitana aportada em terras tropicais. Foi a “independência” do Brasil – articulada pelo herdeiro da coroa portuguesa, dom Pedro I, e sua esposa, dona Leopoldina, a defensora dos interesses da Áustria na América do Sul – que pautou a constituição de um Exército de enfrentamento às forças liberais europeias, que ampliou o avanço sobre as milenares florestas de araucárias. As terras dos botocudos foram doadas pelo Império brasileiro aos mercenários europeus, especialmente de origem alemã, como forma de pagamento por serviços militares. Uma política de “colonização‟ que ocultava a cooptação de profissionais das armas como colonos-soldados, questão apontada por cientistas sociais e historiadores sul-rio-grandenses.

Assim, em 1824, há 200 anos, foi aberto um ciclo de acomodação de agricultores europeus por companhias de colonização estrangeiras. Empresas capitalistas, beneficiadas por terras arranjadas junto à monarquia brasileira, gerenciaram um abate florestal, em escala industrial ferroviária, sem precedentes. Regiões do interior da América do Sul se internacionalizaram nas mãos do herdeiro Bragança, dom Pedro II, o mais duradouro governante do Brasil (1831 a 1889), que reinou por 58 anos, atendendo a interesses bastante “globalizados‟.

No seu comando, a indústria madeireira e o assentamento de mão de obra estrangeira, para a produção agrícola e a criação de animais, puderam contar com imigrantes de diversas nacionalidades. Entre miseráveis sobreviventes de guerras europeias, deserdados da terra de diferentes regiões do planeta, e os mais ilustrados técnicos a serviço do capital internacional, estavam milhares de alemães, árabes, belgas, espanhóis, franceses, holandeses, ingleses, italianos, japoneses, judeus, luxemburgueses, portugueses, turcos, russos, suíços e sul-americanos. Derrubada a floresta, o produto era exportado pelo porto de Rio Grande, e „colonos‟ eram assentados.

As frágeis regiões dos vales de rios, encosta da serra e terras altas do planalto, foram transformadas em campo de cultivo intensivo de grãos e criação de animais, criando a imagem do Rio Grande do Sul como o “celeiro do Brasil” com produção de alimentos para o mercado externo. O projeto ferroviário, de capital inglês, precedido pelos norte americanos, rasgou a região na Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande. Carregando toras de cedros e pinheiros, os trens levariam também os alimentos e o tabaco. A construção dessa incrível malha ferroviária, provocou grande devastação ambiental em toda a região do Planalto Meridional. Mas, não sem resistência. A Guerra do Contestado (1912-1916), com mais de 10 mil mortos, é um exemplo da resistência dos nativos da terra à grande espoliação das terras florestais.

No início do século XX, as lavouras “coloniais‟ do Rio Grande do Sul já contribuíam de forma determinante com erva-mate, grãos, tabaco, couros e carnes para as guerras europeias. Em 1938, na região de Soledade e Sobradinho, do grande rio Jacuí, agricultores se rebelaram contra a exploração capitalista internacional existente na região. O movimento ficou conhecido como os Monges Barbudos, destacando o aspecto religioso e ocultando os fatores econômicos e políticos do conflito.

A superexploração dos pequenos proprietários de terras “coloniais‟ envolvidos com a produção para a sustentação das nações europeias em conflito, motivado pela crise capitalista e pela ascensão do nazi-fascismo, foi denunciada pelos camponeses e indígenas – guaranis e kaingangs – como causadora de injustiças sociais e devastação ambiental. A denúncia do desastre que se seguiria foi vista como messianismo: um velho monge dizia que tudo iria acabar. João Maria avisou. Não se pode descartar que a recorrentemente lembrada enchente de 1941 já tenha sido uma consequência da rápida e radical mudança da paisagem dessa grande região.

Com os novos arranjos internacionais no pós-Segunda Guerra Mundial, o Rio Grande do Sul foi sendo reorientado para a produção de soja visando o mercado asiático, substituindo a produção norte-americana. Uma cultura intensiva, com o uso de tecnologia mecanizada, hoje informatizada, produtos químicos sem controle, reduzida mão de obra, foi monopolizando a produção para a exportação. Lavouras gigantescas em latifúndios sem medida, financiados com recursos públicos anuais, acabaram por matar a diversidade biológica e degradar os solos de forma irremediável. , pesticidas proibidos nos locais de origem, ocupação de áreas ribeirinhas, eliminação de quase 100% da floresta originária, deixam seu legado de destruição e mortes. Existem responsáveis por essa tragédia anunciada.

Denúncias de ambientalistas, pesquisadores e cientistas locais [2] não foram consideradas pelo ciclo de poder vigente no Estado e em prefeituras. A Região Metropolitana de Porto Alegre acolhe cinco grandes rios interiores do território sul-rio-grandense. O lago Guaíba reúne as águas e também a lama e os dejetos: tudo que foi carregado pela enchente chegará ao grande lago de sedimentação que é o Guaíba. Nossa tragédia não se resume às águas da chuva que transbordam, os rios estão sendo mortos pelo assoreamento. São terras desabadas que não voltam mais.

Medidas urgentes precisam ser tomadas, especialmente nesse momento em que, tradicionalmente, os capitais internacionais se deslocam deixando o passivo de destruição para as populações locais. Mas, não se trata das “medidas emergenciais” tradicionais nas mãos de autoridades corruptas, despreparadas e gananciosas. O neoliberalismo, associado ao neofascismo, já deixou sua marca em definitivo neste solo. A contraposição ao projeto excludente e nefasto é a participativa. As populações precisam ser chamadas para o debate público. A instrução sobre a fragilidade da região que habitamos deve fazer parte da proposta de recomposição ambiental.

Atitudes duras de enfrentamento à mineração de carvãoareia e rochas e ao grande latifúndio da , do arroz e do tabaco são necessárias. O momento exige reparação, por parte daqueles que lucram com a devastação, e apontamento das autoridades públicas negligentes. O comprometimento com a recuperação da  causada deve ser ponto de honra para as populações sul-rio-grandenses. Quem causou a tragédia que pague por ela. Os capitais que devastam regiões periféricas coloniais são monopolistas e estão nas mãos das mesmas famílias há centenas de anos.

Por outro lado, é vital que seja retomado o interesse social da propriedade da terra para efetivação de ações de longo prazo, com reforma agrária, para que a cidadania comprometida com o futuro possa recuperar as margens dos rios e riachos, promovendo cultivos regenerativos. É premente “renacionalizar” a produção agrícola e a propriedade da terra no Sul do Brasil. O Brasil é vanguarda na tecnologia agroflorestal sustentável. A hora é de solidariedade, responsabilização, reparação e participação popular na definição de medidas presentes para a esperança futura.

Notas

[1] BANDEIRA, Júlio e LAGO, Pedro Corrêa. Debret e o Brasil. Obra completa. (1816-1831) 3ª ed. Rev. e ampl. Rio de Janeiro: Capivara Editora LTDA, 2013.

[2] MENEGAT, Rualdo, coord. Atlas Ambiental de Porto Alegre (1998), UFRGS/PMPOA/INPE. A publicação apresenta em detalhes a pesquisa sobre o território sulino realizada em décadas de estudos acadêmicos e do poder público municipal.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 comentário

  1. Uma pena uma matéria tão tendenciosa, querendo colocar uma borracha no passado.
    Destrói e assassina reputações e é uma apologia contra o desenvolvimento das
    cidades, do Brasil como um país do Futuro. A historiadora só tem um lado e ataca
    toda a colonização do Rio Grande do Sul.