Emergência climática: O que o desmatamento da Amazônia tem a ver com as cheias no Rio Grande do Sul?

Print Friendly, PDF & Email
Rio Taquari

Rio Taquari, visão de Lajeado e Estrela, 2024.

https://www.ihu.unisinos.br/639334-o-que-o-desmatamento-da-amazonia-tem-a-ver-com-as-cheias-no-rio-grande-do-sul

Murilo Pajolla, Brasil de Fato,

12-05-2024.

[NOTA DO WEBSITE: Ontem publicamos as reflexões da historiadora Maria da Glória que trazia uma percepção de que viemos tratando o ambiente do Rio Grande de forma equivocada quando o Imperador português invasador durante o século XIX, simplesmente enxotou os porque vinham com a visão de mundo superior por ser eurocêntrica e cristã. Mas desta ação que estava assentada na arrogância do supremacismo branco eurocêntrico abriu espaço para um tempo de ilusão de que os superiores eram superiores mesmo. E assim, muito mais do que só no Rio Grande do Sul e no , todas as Américas e espaços planetários que os supremacistas tocaram, abriram a Caixa de Pandora. E agora anos e mesmo séculos depois, a humanidade vive toda a distopia que a ganância levou a transformarem seu deus branco cristão em amarelo do ouro e com isso tudo foi sendo varrido pelas piores situações de relações entre todos os seres, onde a devastação e o extermínio estão na ponta de todas as suas lanças e suas espadas que nada mais são do que cruzes. E daí, qual a contribuição do Rio Grande do Sul, nessa distopia? Simplesmente porque pela absoluta ausência de integração com a verdadeira terra onde pisaram também os que aqui invadiram, diferentes dos ciclos coloniais das capitanias hereditárias em toda a costa brasileira, progrediram com a eliminação de todas as que poderiam gerar o amarelo do ouro. E daí o rodo foi indo até a , no final dos anos sessenta, e com ela a transposição dos desterrados pela que vinha imbutida nela, fez com que os ditadores militares, a maior parte gaúchos com sobrenomes europeus, resolvessem levar esses desterrados para o ‘inferno verde' da . Principalmente por medo tanto do ‘comunismo' como da visão da teologia da libertação esses autocratas novamente invadiam outra área habitada por originários, ‘inferiores e pagãos'. E nessa nova Caixa de Pandora está acobertado o terror dos últimos 30 anos: o malfadado . Essa invasão estava prenhe e gestando a doentia visão liberalista dos supremacistas brancos eurocêntricos da América do Norte. E é desta forma que estamos nessa transição entre a cegueira da arrogância de que os seres humanos, individualistas, quando brancos e eurodescendentes são não só superiores como donos como os português do XV de todos os espaços onde vivem há séculos os povos originários dos Impérios Coloniais. E essa é a colheita que o povo faz de todos os agronegócios que os supremacistas fazem! Para entendermos isso basta ler os posicionamentos destes cientistas que nos mostram o que tem nas Caixas de Pandora dos supremacistas].

Cientistas explicam como a devastação no Norte potencializou desastre climático no Sul.

A relação entre as cheias devastadoras no Rio Grande do Sul e o desmatamento na Amazônia é mais do que evidente para três cientistas do ouvidos pelo Brasil de Fato. Segundo eles, o desflorestamento no Norte tem um papel crítico nas enchentes do Sul, pois compromete a capacidade das florestas de regularem o clima. A consequência é a intensificação de eventos extremos, como as chuvas que afetam quase 2 milhões de gaúchos.

O trio de pesquisadores é unânime: mais do que se adaptar às mudanças climáticas, é urgente combatê-las, com medidas imediatas de conservação ambiental e reflorestamento, tanto na Amazônia como no Rio Grande do Sul. Só assim é possível proteger não apenas a sociobiodiversidade na floresta, mas também moradores de regiões mais vulneráveis aos eventos extremos, como o Sul brasileiro.

Sem Amazônia, secas mais severas e enchentes mais devastadoras

Luciana Gatti, cientista de  do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), explicou que as árvores da Amazônia atuam como “climatizadores“. Elas absorvem água do solo e a liberam como vapor na atmosfera. O desmatamento, que já eliminou 20% do bioma original, compromete o processo de regulação climática e provoca mudanças no padrão de chuvas em regiões distantes, que trocam umidade com a floresta por meio da atmosfera.

“Além disso, quando você queima combustíveis fósseis, emite na atmosfera gases de efeito estufa, principalmente o CO2. Além disso, a perda de florestas, como a Amazônia, reduz o poder de absorção de carbono, contribuindo para o   e alterações climáticas extremas“, explicou Luciana Gatti, que é coordenadora do Laboratório de Gases de Efeito Estufa do INPE.

Alexandre Costa, professor da Universidade Estadual do Ceará (UFCE) e doutor em Ciências Atmosféricas lembrou que os fenômenos climáticos extremos já foram previstos pela ciência. Desde 2007, relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC) alertaram para o aumento dos eventos extremos, como chuvas intensas e cheias, incluindo o Sul do Brasil.

“Com o aquecimento global, o ar do planeta ficou um grau mais quente. Por isso, ele armazena mais vapor d'água. Isso implica que, de um lado, as secas vão ser mais severas, porque as taxas de evaporação são maiores para encher esse reservatório maior de vapor. Por outro lado, quando esse vapor chega em regiões onde ele vai se começar a produzir chuva, você tem muito mais matéria prima para fazer chover”, explicou Costa, que trabalha há 20 anos com questões climáticas e participou de estudos pioneiros sobre o tema.

Inundação poderia ser menor

Os especialistas atestam que o modelo de expansão agrícola baseado no desmatamento e na monocultura, comum no Rio Grande do Sul, produz enchentes mais devastadoras. O estado tem apenas 7% da cobertura original de Mata Atlântica. Nos pampas gaúchos, a  e a monocultura reduziram o bioma para menos da metade de sua abrangência original.

Luiz Marques, docente da Ilum Escola de Ciência do Centro Nacional de Pesquisa em e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP), atesta que, com pouca vegetação nativa, há o aumento da erosão e diminuição da capacidade do solo gaúcho de armazenar água da chuva. Como resultado, a água flui mais rapidamente para os rios durante tempestades intensas, aumentando o risco de cheias.

“Se a vegetação nativa estivesse mais presente, poderia haver uma inundação do tamanho dessa que houve? Muito provavelmente não. Podemos até imaginar uma inundação – um pouco menor – com a existência de florestas. Mas isso ocorreria uma vez a cada século ou uma vez a cada 300 anos”, explica Luiz Marques.

Agronegócio e negacionismo climático: tudo a ver

O setor da responsável pelo desmatamento – seja na Amazônia ou no Rio Grande do Sul – é o agronegócio. No Brasil, a agropecuária é a atividade que mais emite gases do efeito estufa, muito mais do que a indústria, que é o setor mais poluidor nos países centrais do .

Para os especialistas, agronegócio e negacionismo climático andam juntos. Se os ruralistas admitissem que o setor é um indutor ativo das catástrofes provocadas pela mudanças climáticas, abririam a porta para sanções mais eficazes contra a expansão indiscriminada da fronteira agropecuária.

Os mesmo políticos que representam esse setor da economia omitem a relação entre o desmatamento e as mudanças climáticas nessa discussão. Dizem que Deus mandou a tempestade, ou qualquer coisa desse tipo. Deus é culpado de tudo e nós [do agronegócio], pobres ignorantes, culpados de nada, apesar de toda a destruição que causamos”, critica Luciana Gatti.

“Negar as evidências científicas e os relatórios do IPCC sobre as mudanças climáticas dificulta a adoção de políticas eficazes para combater o desmatamento e suas consequências, como as enchentes no Rio Grande do Sul”, destacou  Alexandre Costa.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *