Tradições: O nascimento relatado de um raro bezerro de búfalo branco no parque de Yellowstone cumpre a profecia Lakota

Print Friendly, PDF & Email
Bisão Branco Lakota

Um raro bezerro de búfalo branco, supostamente nascido no Vale Lamar do Parque Nacional de Yellowstone, é mostrado em 4 de junho de 2024, em Wyo. O nascimento cumpre uma profecia Lakota que prenuncia tempos melhores, de acordo com membros da tribo indígena norte americana que alertaram que também é um aviso de que mais deve ser feito para proteger a Terra e seus animais. (Erin Braaten/Dancing Aspens Photography via AP)

AMY BETH HANSON

11 de junho de 2024

[NOTA DO WEBSITE: Como acolhemos todas as expressões de conexão com a transcendência, essa aparição de um terneiro bisão branco, sagrado para muitos dos da América do Norte, muito nos toca. Principalmente quando a atual humanidade e de maneira mais forte em algumas de nossas civilizações, desgarrou completamente da relação com o sagrado. A materialidade, muito mais do que o ateísmo que de alguma forma tem princípios, essa atual manifestação da materialidade está totalmente compurcada por sua parte mais sombria, o individualismo egóico, excludente e arrogante. E se manifesta fortemente pela ideoloigia do supremacismo branco eurocêntrico. Basta acompanharmos as escolhas atuais dos dirigentes da União Europeia que mostram como o radicalismo e o fanatismo serão as tônicas dos próximos anos em toda a UE. E mesmo que tenham a fachada de espiritualidade, suas vísceras são pelo extremismo do Ego acima de tudo e de todos e não, como tentam demonstrar, de seu Deus cristão].

HELENA, Mont. (AP) — O relato do nascimento de um raro búfalo branco no Parque Nacional de Yellowstone cumpre uma profecia Lakota que pressagia tempos melhores, de acordo com membros da tribo indígena norte americana que alertaram que é também um sinal de que mais deve ser feito para proteger a terra e seus animais.

“O nascimento deste bezerro é ao mesmo tempo uma bênção e um aviso. Devemos fazer mais”, disse o chefe Arvol Looking Horse, o líder espiritual dos Lakota, Dakota e dos Nakota Oyate em Dakota do Sul, e o 19º guardião do sagrado Cachimbo e Pacote Mulher Bezerro de Búfalo Branco.

O nascimento do bezerro sagrado ocorre depois de um inverno rigoroso em 2023 que levou milhares de búfalos de Yellowstone, também conhecidos como bisões, para altitudes mais baixas. Mais de 1.500 foram mortos, enviados para abate ou transferidos para tribos que procuravam recuperar a administração de um animal com quem os seus antepassados ​​viveram durante milênios.

Erin Braaten, de Kalispell, tirou várias fotos do bezerro logo após seu nascimento, em 4 de junho, no Vale Lamar, no canto nordeste do parque.

Sua família estava visitando o parque quando ela avistou “algo realmente branco” entre uma manada de bisões do outro lado do rio Lamar.

O trânsito acabou parando enquanto os bisões atravessavam a estrada, então Braaten colocou a câmera para fora da janela para ver mais de perto com sua lente de aproximação.

“Eu olho e é um bezerro de bisão branco. E eu fiquei totalmente, totalmente chocada”, disse ela.

Depois que o bisão saiu da estrada, os Braatens deram meia-volta com o veículo e encontraram um lugar para estacionar. Eles observaram o bezerro e sua mãe por 30 a 45 minutos.

“E então ela meio que conduziu através dos salgueiros”, disse Braaten. Embora Braaten tenha voltado nos dois dias seguintes, ela não viu o bezerro branco novamente.

Para os Lakota, o nascimento de um bezerro de búfalo branco com nariz, olhos e cascos pretos é semelhante à segunda vinda de Jesus Cristo, disse Looking Horse.

A lenda Lakota diz que cerca de 2.000 anos atrás – quando nada estava bom, a comida estava acabando e os bisões estavam desaparecendo – a Mulher Bezerro de Búfalo Branco apareceu, apresentou um cachimbo e um embrulho a um membro da tribo, ensinou-os a orar e disse que o cachimbo poderia ser usado para trazer búfalos para a área para alimentação. Ao sair, ela se transformou em um bezerro de búfalo branco.

“E algum dia, quando os tempos estiverem difíceis novamente”, disse Looking Horse ao relatar a lenda, “voltarei e permanecerei na terra como um bezerro de búfalo branco, nariz preto, olhos pretos, cascos pretos”.

Um bezerro de búfalo branco semelhante nasceu em Wisconsin em 1994 e foi nomeado Miracle, disse ele.

Troy Heinert, diretor executivo do InterTribal Buffalo Council, com sede em Dakota do Sul, disse que o bezerro nas fotos de Braaten parece um verdadeiro búfalo branco porque tem nariz preto, cascos pretos e olhos escuros.

“Pelas fotos que vi, aquele bezerro parece ter essas características”, disse Heinert, que é Lakota. Um búfalo albino teria olhos rosa.

Uma cerimônia de nomeação foi realizada para o bezerro de Yellowstone, disse Looking Horse, embora ele tenha se recusado a revelar o nome. Uma cerimônia celebrando o nascimento do bezerro está marcada para 26 de junho na sede da Buffalo Field Campaign em West Yellowstone.

Outras tribos também reverenciam o búfalo branco.

“Muitas tribos têm sua própria história sobre por que o búfalo branco é tão importante”, disse Heinert. “Todas as histórias remontam a eles sendo muito sagrados.”

Heinert e vários membros da Buffalo Field Campaign dizem que nunca ouviram falar de um búfalo branco nascido em Yellowstone, que possui rebanhos selvagens. Os funcionários do parque ainda não tinham visto o búfalo e não puderam confirmar seu nascimento no parque, e não têm registro de um búfalo branco nascido no parque anteriormente.

Jim Matheson, diretor executivo da National Bison Association, não conseguiu quantificar o quão raro o bezerro é.

“Que eu saiba, ninguém jamais rastreou a ocorrência do nascimento de búfalos brancos ao longo da história. Portanto, não tenho certeza de como podemos determinar com que frequência isso ocorre.”

Além dos rebanhos de animais em terras públicas ou supervisionados por grupos conservacionistas, cerca de 80 tribos nos têm mais de 20 mil bisões, um número que tem aumentado nos últimos anos.

Em Yellowstone e arredores, a matança ou remoção de um grande número de bisões acontece  quase todo inverno, sob um acordo entre as agências federais e de Montana que limitou o tamanho dos rebanhos do parque a cerca de 5.000 animais. Autoridades de Yellowstone propuseram na semana passada uma população um pouco maior de até 6.000 bisões, com uma decisão final esperada para o próximo mês.

Mas os fazendeiros de Montana há muito se opõem ao aumento dos rebanhos de Yellowstone ou à transferência dos animais para as tribos. O governador republicano Greg Gianforte disse que não apoiaria nenhum plano de manejo com uma população-alvo superior a 3.000 bisões de Yellowstone.

Heinert vê o nascimento do bezerro como um lembrete “de que precisamos viver bem e tratar os outros com respeito”.

“Espero que esse bezerro esteja seguro e viva da melhor maneira possível no Parque Nacional de Yellowstone, exatamente onde foi projetado para estar”, disse Heinert.

___

O repórter da Associated Press, Matthew Brown, contribuiu para esta história de Billings, Montana.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, junho de 2024.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários

  1. Bom dia, grandes!
    Para que vocês não usem termos eurocentristas, por favor, não chame este bicho de búfalo nem de bezerro(filhote de vaca). Afinal, para os Lakota e demais nativos eles são Tatanka, Bisão.
    Grande Abraço

    1. Grato pelas pertinentes observações. Se não podemos alterar os textos republicados, podemos avançar quando traduzimos. Felicidades, Luiz Jacques.

    2. Pelo visto, o bisão branco de 1994 não cumpriu a profecia Lakota.
      Essa é uma estória para bisão dormir.
      Sei não, estamos num mundo desesperador.
      Nem podemos crer no homem em todas as suas cores, nem nos bisões ironicamente brancos.

      1. Oi, Agamemnon… como estás? Pois é… a vida cheia de surpresas e esperanças! O importante é continuarmos abertos para todas as formas de manifestações da Vida. Abs, Jacques.