Saúde: Obesidade e câncer-desemaranhando uma teia complexa

Print Friendly, PDF & Email
Cancer De Mama Um

https://www.medscape.com/viewarticle/obesity-and-cancer-untangling-complex-web-2024a10009zi

Amy Norton

28 de maio de 2024

[NOTA DOS WEBSITE: Constatações de que há uma relação entre e , mesmo que não absoluta. E o que nos importa esta informação? Simplesmente porque um dos fatores definitivos da obesidade que assola o mundo, está associada aos alimentos ultraprocessados e toda a química sintética que se emprega para produzi-los. Deve ficar definitivamente claro para todos nós que os alimentos ultraprocessados não vem da natureza nem são produzidos pela verdadeira que gera alimentos, mas sim é um produto feita na indústria. Isso mesmo! Não são alimentos como conhecíamos anteriormente, agora são ‘frankensteins' criados nas fábricas. E elas são, via de regra, as mesmas que produzem venenos, medicamentos sintéticos e outras parafernálias que nos impingem enquanto não somos donos de nossas vidas! Textos como esses são os nossos gritos para que acordemos desta inércia que só nos deixa doentes e deprimidos].

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC/Centers for Disease Control and Prevention), mais de 684.000 norte americanos são diagnosticados com câncer “associado à obesidade” a cada ano.

A incidência de muitos desses tipos de câncer tem aumentado nos últimos anos, principalmente entre pessoas mais jovens — uma tendência que contrasta com o declínio geral de cânceres sem relação estabelecida com o excesso de peso, como câncer de pulmão e de pele. 

A obesidade é o novo tabagismo? Não exatamente.

Traçar uma linha direta entre excesso de gordura e câncer é muito menos claro do que com o tabaco. Enquanto cerca de 42% dos cânceres — incluindo os comuns, como câncer colorretal e câncer de mama pós-menopausa — são considerados relacionados à obesidade, apenas cerca de 8% dos cânceres incidentes são atribuídos ao excesso de peso corporal. As pessoas geralmente desenvolvem essas doenças independentemente do peso.

Embora muitas evidências apontem para o excesso de gordura corporal como um fator de risco de câncer, não está claro em que ponto o excesso de peso tem efeito. Ganhar peso mais tarde na vida, por exemplo, é melhor ou pior para o risco de câncer do que estar acima do peso ou obeso desde jovem?

Há outra gritante lacuna de conhecimento: perder peso em algum momento da vida adulta muda o quadro? Em outras palavras, quantos desses 684.000 diagnósticos poderiam ter sido prevenidos se as pessoas perdessem os quilos em excesso?

Quando se trata de peso e risco de câncer, “há muita coisa que não sabemos”, disse Jennifer W. Bea, PhD, professora associada de ciências da promoção da saúde na Universidade do Arizona, Tucson, Arizona.

Um relacionamento consistente, mas complicado

Dada a crescente incidência de obesidade — que atualmente afeta cerca de 42% dos adultos nos e 20% das crianças e adolescentes (nt.: destaque em negrito dado pela tradução para ressaltar o drama social da obesidade, muitíssimas vezes atribuida ao alimentos ultraprocessados) — não é surpresa que muitos estudos tenham se aprofundado nos efeitos potenciais do excesso de peso nas taxas de câncer.

Embora praticamente todas as evidências venham de grandes estudos de coorte, deixando a questão de causa e efeito em aberto, certas associações continuam aparecendo.

“O que sabemos é que, consistentemente, um índice de massa corporal [IMC] mais alto — particularmente na categoria obesa — leva a um risco maior de múltiplos cânceres”, disse Jeffrey A. Meyerhardt, MD, MPH, codiretor do Centro de Câncer de Cólon e Reto do Instituto de Câncer Dana-Farber, Boston.

Em um relatório amplamente citado publicado no The New England Journal of Medicine em 2016, a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC/International Agency for Research on Cancer/OMS/) analisou mais de 1000 estudos epidemiológicos sobre gordura corporal e câncer. A agência apontou mais de uma dúzia de cânceres, incluindo alguns dos mais comuns e mortais, ligados ao excesso de peso corporal.

Essa lista inclui adenocarcinoma de esôfago e câncer endometrial — associados ao maior risco — juntamente com câncer de rim, fígado, estômago (cárdia gástrica), pâncreas, colorretal, mama pós-menopausa, vesícula biliar, ovário e tireoide, além de mieloma múltiplo e meningioma. Há também evidências “limitadas” que ligam o excesso de peso a tipos adicionais de câncer, incluindo câncer de próstata agressivo e certos cânceres de cabeça e pescoço.

Ao mesmo tempo, disse Meyerhardt, muitos desses mesmos cânceres também estão associados a problemas que levam ao sobrepeso e à obesidade ou coexistem com eles, incluindo má alimentação, falta de exercícios e condições metabólicas como diabetes. 

É uma rede complicada e é provável, disse Meyerhardt, que o IMC alto afete diretamente o risco de câncer e faça parte de um “caminho causal” de outros fatores que o fazem.

Em relação aos efeitos diretos, pesquisas pré-clínicas apontaram várias maneiras pelas quais o excesso de gordura corporal pode contribuir para o câncer, disse Karen M. Basen-Engquist, PhD, MPH, professora da Divisão de Prevenção do Câncer e Serviços Populacionais do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas, em Houston.

Um mecanismo amplo para ajudar a explicar a ligação entre obesidade e câncer é a inflamação sistêmica crônica, porque o excesso de tecido adiposo pode aumentar os níveis de substâncias no corpo, como o fator de necrose tumoral alfa e a interleucina 6, que alimentam a inflamação. O excesso de gordura também contribui para a hiperinsulinemia — muita insulina no sangue — que pode ajudar a promover o crescimento e a disseminação de células tumorais. 

Mas as razões subjacentes também parecem variar de acordo com o tipo de câncer, disse Basen-Engquist. Com tipos de câncer hormonalmente induzidos, como mama e endométrio, o excesso de gordura corporal pode alterar os níveis hormonais de maneiras que estimulam o crescimento do tumor. O tecido adiposo extra pode, por exemplo, converter andrógenos em estrogênios, o que pode ajudar a alimentar tumores dependentes de estrogênio.

Basen-Engquist observou que isso pode explicar por que o excesso de peso está associado ao câncer de mama na pós-menopausa, e não na pré-menopausa: antes da menopausa, a gordura corporal é um fator relativamente menor nos níveis de estrogênio, mas se torna mais importante após a menopausa.

Qual é o tamanho do efeito?

Embora mais de uma dúzia de cânceres tenham sido consistentemente associados ao excesso de peso, a força dessas associações varia consideravelmente. 

Cânceres endometriais e esofágicos são dois que se destacam. Na análise do IARC de 2016, pessoas com obesidade grave tiveram um risco sete vezes maior de câncer endometrial e 4,8 vezes maior de adenocarcinoma esofágico em comparação a pessoas com IMC normal.

Com outros tipos de câncer, os aumentos de risco para aqueles com obesidade grave em comparação com um IMC normal foram muito mais modestos: 10% para câncer de ovário, 30% para câncer colorretal e 80% para câncer de rim e estômago, por exemplo. Para câncer de mama pós-menopausa, cada aumento de cinco unidades no IMC foi associado a um aumento de risco relativo de 10%.

Um estudo de 2018 da Sociedade Americana do Câncer, que tentou estimar a proporção de cânceres nos EUA atribuíveis a fatores de risco modificáveis ​​— incluindo consumo de álcool, exposição aos raios ultravioleta e inatividade física — descobriu que o tabagismo era responsável pela maior proporção de casos de câncer por uma ampla margem (19%), mas o excesso de peso ficou em segundo lugar (7,8%).

Novamente, o peso pareceu desempenhar um papel maior em certos tipos de câncer do que em outros: estima-se que 60% dos cânceres endometriais foram associados ao excesso de peso, assim como cerca de um terço dos cânceres de esôfago, rim e fígado. Na outra ponta do espectro, pouco mais de 11% dos cânceres de mama, 5% dos colorretais e 4% dos cânceres de ovário foram atribuídos ao excesso de peso.

Mesmo na extremidade inferior, essas taxas podem fazer uma grande diferença no nível populacional, especialmente para grupos com maiores taxas de obesidade.

Dados do CDC mostram que os cânceres relacionados à obesidade estão aumentando entre mulheres com menos de 50 anos, mais rapidamente entre mulheres hispânicas, e alguns cânceres menos comuns relacionados à obesidade, como estômago, tireoide e pâncreas, também estão aumentando entre indivíduos negros e hispânicos americanos.

A obesidade pode ser uma razão para o crescimento das disparidades de câncer, disse Leah Ferrucci, PhD, MPH, professora assistente de epidemiologia, Yale School of Public Health, New Haven, Connecticut. Mas, ela acrescentou, a evidência é limitada porque indivíduos negros e hispano-americanos são pouco estudados.

Quando os quilos extras são importantes?

Quando se trata de risco de câncer, em que ponto da vida o excesso de peso, ou ganho de peso, importa? O ganho de peso padrão na meia-idade, por exemplo, é tão perigoso quanto estar acima do peso ou obeso desde jovem?

Algumas evidências sugerem que não existe um momento “seguro” para ganhar quilos extras.

Uma meta-análise recente concluiu que o ganho de peso em qualquer ponto após os 18 anos está associado a aumentos incrementais no risco de câncer de mama pós-menopausa. Um estudo de 2023 no JAMA Network Open encontrou um padrão semelhante com câncer colorretal e outros cânceres gastrointestinais: pessoas que tiveram sobrepeso ou obesidade dos 20 anos até a meia-idade enfrentaram um risco maior de desenvolver esses cânceres após os 55 anos. 

O momento do ganho de peso também não pareceu importar. O mesmo risco elevado ocorreu entre pessoas que tinham peso normal na juventude, mas ficaram acima do peso após os 55 anos.

Esses estudos se concentraram em doenças de início tardio. Mas, nos últimos anos, especialistas têm rastreado um aumento preocupante em cânceres de início precoce — aqueles diagnosticados antes dos 50 anos — particularmente cânceres gastrointestinais. 

Uma questão óbvia, disse Meyerhardt, é se a crescente prevalência de obesidade entre os jovens é parcialmente responsável.

Há alguns dados que apoiam isso, ele disse. Uma análise do Nurses' Health Study II descobriu que mulheres com obesidade tinham o dobro do risco de câncer colorretal de início precoce do que aquelas com IMC normal. E cada aumento de 5 kg no peso após os 18 anos foi associado a um aumento de 9% no risco de câncer colorretal.

Mas, embora as tendências da obesidade provavelmente expliquem em parte o aumento dos cânceres de início precoce, é provável que haja mais na história, disse Meyerhardt.

“Acho que todos nós que vemos um número crescente de pacientes com menos de 50 anos com câncer colorretal sabemos que há um número razoável que não se encaixa nesse perfil [de IMC alto]”, disse ele. “Há um número razoável acima de 50 anos que também não se encaixa.”

Perder peso ajuda?

Com todas as evidências apontando para o IMC alto como um fator de risco de câncer, uma conclusão lógica é que a perda de peso deve reduzir esse risco excessivo. No entanto, Bea disse que, na verdade, há poucos dados para apoiar isso, e o que existe vem de estudos observacionais.

Algumas pesquisas se concentraram em pessoas que tiveram perda substancial de peso após cirurgia bariátrica, com resultados encorajadores. Um estudo publicado no JAMA descobriu que entre 5053 pessoas que passaram por cirurgia bariátrica, 2,9% desenvolveram um câncer relacionado à obesidade ao longo de 10 anos, em comparação com 4,9% no grupo sem cirurgia.

A maioria das pessoas, no entanto, busca uma perda de peso menos drástica, com a ajuda de dieta e exercícios ou, às vezes, medicamentos. Algumas evidências mostram que um grau modesto de perda de peso pode reduzir os riscos de câncer de mama e endometrial na pós-menopausa. 

Uma análise conjunta de 2020 descobriu, por exemplo, que entre mulheres com idade ≥ 50 anos, aquelas que perderam apenas 2,0-4,5 kg, ou 4,4-10,0 libras, e mantiveram o peso por 10 anos tiveram um risco menor de câncer de mama do que mulheres cujo peso permaneceu estável. E perder mais peso — 9 kg, ou cerca de 20 libras, ou mais — foi ainda melhor para reduzir o risco de câncer.

Mas outras pesquisas sugerem o oposto. Uma análise recente descobriu que pessoas que perderam peso nos últimos 2 anos por meio de dieta e exercícios tiveram um risco maior de uma série de cânceres em comparação com aquelas que não perderam peso. No geral, porém, o risco aumentado foi bem baixo.

Independentemente do que a pesquisa mostre ou não sobre peso e risco de câncer, Basen-Engquist disse que é importante que os fatores de risco, obesidade e outros, não sejam “usados ​​como ferramentas de culpa”.

“Com a obesidade, o comportamento certamente influencia”, ela disse. “Mas há tantas influências em nosso comportamento que são socialmente determinadas.”

Tanto Basen-Engquist quanto Meyerhardt disseram que é importante que os médicos considerem o indivíduo à sua frente e que todos estabeleçam expectativas realistas. 

Pessoas com obesidade não devem sentir que precisam emagrecer para serem mais saudáveis, e ninguém precisa deixar de ser sedentário e passar a se exercitar várias horas por semana

“Não queremos que os pacientes sintam que, se não atingirem uma meta estabelecida em uma diretriz, tudo será em vão”, disse Meyerhardt.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, junho de 2024

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.