Presença e exposição diária a disruptores endócrinos

Print Friendly, PDF & Email
Disruptores

https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fendo.2021.790853/full

Elena Grasselli 1 * , Marketa Dvorakova 2 e Jones B. Graceli 3

  • 1 Departamento de Ciências da Terra, Ambientais e da Vida (DISTAV), Universidade de Gênova, Gênova, Itália
  • 2 Laboratório Nacional de Referência para Imunotoxicologia Experimental, Centro de Toxicologia e Segurança Sanitária, Instituto Nacional de (NIPH), Praga, República Tcheca
  • 3 Departamento de Morfologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória,

24 de novembro de 2021

Como a vida humana pode mudar?

Editorial sobre o Tópico de Pesquisa


Presença e Exposição Diária a Disruptores Endócrinos: Como a Vida Humana pode Mudar?

Um disruptor endócrino (EDC/endocrine disruptor chemicals) é definido pela Endocrine Society e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “uma substância ou mistura exógena que altera as funções do sistema endócrino e, consequentemente, causa efeitos adversos à saúde em um organismo intacto, ou sua progênie, ou (sub) populações” (1,2). As semelhanças estruturais entre os EDCs e os hormônios endógenos fazem com que os EDCs sejam capazes de interferir na função regular dos receptores hormonais (3). Os EDCs são capazes de agir em qualquer estágio da vida humana, causando vários efeitos devastadores na saúde dos indivíduos, como , e malformação reprodutiva e/ou função inadequada (Bokobza et al.; Komarowska et al.;Rodprasert et al.Zhang et al.), eventualmente levando à morte, dependendo do tipo do EDC, dose, período, tempo de exposição ou se houve uma exposição mista ao EDC (1,2).

Este Tópico de Pesquisa relatou técnicas para estudar distúrbios reprodutivos e metabólicos, como o uso de imagem por ressonância magnética (MRI) para estudar a síndrome dos ovários policísticos (SOP) (Li et al.). Eles demonstraram que o comprometimento cognitivo e as mudanças emocionais estão associados a níveis elevados de testosterona sérica, hormônio luteinizante e níveis de insulina em jejum em mulheres com SOP (Li et al.).  A fertilização in vitro e a transferência de embriões (FIV-ET) foram sugeridas para melhorar as complicações na síndrome de hiperestimulação ovárica espontânea causada pelo adenoma hipofisário secretando hormônio folículo-estimulante (Du et al.).

Além disso, este Tópico de Pesquisa mostrou uma ligação importante entre alterações da saúde reprodutiva e metabólica como resultado da exposição a EDC, como , bisfenol S, bisfenol F, metabólitos de e (3Bokobza et al.; Komarowska et al.; Rodprasert et al.). Especificamente, leiomiomas uterinos e desenvolvimento de endometriose foram associados a metabólitos de ftalato urinário e níveis de mercúrio sérico de uma coorte feminina do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES, 2001-2006). Komarowska et al. forneceu uma primeira caracterização de meninos pré-púberes que sofrem de criptorquidia que foram expostos a diferentes tipos de bisfenóis (PB) do Departamento de Cirurgia Pediátrica e Urologia da Universidade Médica de Bialystok (2017-2018). Eles sugerem que meninos com criptorquidia são amplamente expostos in utero com níveis elevados de bisfenol A no sangue e, em menor grau, também às suas alternativas, como bisfenol S e F. Hipospádia e frequência de distância anogenital diminuída também foram associadas à exposição à bisfenóis (Komarowska et al.).

Outro estudo de revisão mostrou que a exposição a metabólitos de EDCs (como bisfenol A, ftalatos, diclorodifenildicloroetileno/DDE -metabólito do DDT, dioxinas, bifenilos policlorados, agrotóxicos organoclorados, retardadores de chama polibromados e compostos , etc.) agem como produtos químicos obesogênicos, levando a anormalidades metabólicas, prejudicando função normal do tecido adiposo, aumentando a massa do tecido adiposo, remodelamento, hipóxia e inflamação, com prevalência de curvas não monotônicas de resposta à dose (1,2Bokobza et al.). A função metabólica anormal do tecido adiposo, como resultado da exposição ao EDC, altera a liberação do perfil das adipocinas e as ações hormonais (1,2 ; Bokobza et al.) Agora está bem estabelecido que o tecido adiposo anormal secreta adipocitocinas que podem ajudar a promover a progressão do tumor. Paralelamente, a exposição a EDCs foi implicada no desenvolvimento de cânceres, em particular cânceres dependentes de hormônios (como próstata, testículo, mama, endométrio e tireoide) (Bokobza et al.).

Este Tópico de Pesquisa reúne seis artigos (quatro pesquisas originais e dois artigos de revisão) sobre distúrbios endócrinos e metabólicos, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP) e o hormônio folículo-estimulante secretor de adenoma hipofisário. Além disso, o tópico relatou um papel toxicológico complexo da exposição a produtos químicos dos (EDC), como bisfenol A (BPA), bisfenol S (BPS) e bisfenol F (BPF), metabólitos de ftalato, mercúrio, etc, relacionados com complicações de saúde humana, como câncer, obesidade e anormalidades reprodutivas. Compreender a interação entre alguns EDCs, bem como sua exposição de diferentes fontes e anormalidades fisiológicas, é altamente relevante para a saúde humana no mundo. Claramente, a pesquisa neste campo está avançando em um ritmo rápido.

Contribuições do autor

Elena Grasseli concebeu o tópico. Marketa Dvorakova ajudou a administrar. Jones Graceli compartilhou sua experiência anterior e colaborou no processo editorial. Todos os autores contribuíram com o artigo e aprovaram a versão submetida.

Financiamento

Esta pesquisa foi apoiada pelo CNPq (# 304724 / 2017-3 / N ° 12/2017), FAPES / CNPq (PRONEX, # 24/2018). O JG recebeu bolsas da FAPES e CNPq. Esta pesquisa foi apoiada por AngelConsutling srl

Conflito de interesses

Os autores declaram que a pesquisa foi realizada na ausência de quaisquer relações comerciais ou financeiras que pudessem ser interpretadas como um potencial conflito de interesses.

Nota do editor

Todas as reivindicações expressas neste artigo são exclusivamente dos autores e não representam necessariamente as de suas organizações afiliadas ou as do editor, dos editores e dos revisores. Qualquer produto que possa ser avaliado neste artigo, ou alegação que possa ser feita por seu fabricante, não é garantido ou endossado pelo editor.

Referências

1. Vom Saal FS, Woodruff TJ, Soto AM, Skakkebaek NE, Gore AC, Doan LL, et al. Produtos Químicos Desreguladores Endócrinos e Proteção da : Uma Declaração de Princípios da Sociedade Endócrina. Endocrinology (2012) 153: 4097–110. doi: 10.1210 / en.2012-1422

Resumo do PubMed | CrossRef Full Text | Google Scholar

2. QUEM. State of the Science of Endocrine Disrupting Chemicals-2012 . Genebra, Suíça: imprensa da OMS (2013).

Google Scholar

3. Delfosse V, Maire Al, Balaguer P, Bourguet W. Uma Perspectiva Estrutural em Receptores Nucleares como Alvos de Compostos Ambientais. Acta Pharmacologica Sin (2014) 36: 88–101. doi: 10.1038 / aps.2014.133

CrossRef Full Text | Google Scholar

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, dezembro de 2021.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.