EUA pagam para limpar o agente laranja no aniversário da Guerra do Vietnã

Print Friendly, PDF & Email
Madona Vietnamita

Uma madona dos séculos XX e XXI, no Vietnã inundado pelo criminoso ‘agrotóxico=' – Agente Laranja (nt.: foto agregada pela tradução para contextualizar).

https://www.voanews.com/a/6896184.html

VOA Notícias

29 de dezembro de 2022

No início deste mês, os Estados Unidos anunciaram um contrato de até US$ 29 milhões para limpar a contaminação por dioxinas na Base Aérea de Bien Hoa, no sul do Vietnã, perto da cidade de Ho Chi Minh, consequência do uso americano do herbicida Agente Laranja durante a Guerra do Vietnã.

Image 1

Quatro presidentes envolvidos com a Guerra do Vietnã, mas foi o presidente John F. Kennedy quem autorizou o uso das missões com o desfolhante em novembro de 1961. (nt.: foto agregada pela tradução para contextualizar a notícia)

A medida é a mais recente tentativa de demonstrar cooperação entre os dois países, apesar de um relacionamento ainda complicado.

As nações agora trabalham juntas em questões comerciais, e legados da guerra, como a pulverização de dioxinas ou os chamados bombardeios de Natal, 50 anos atrás neste mês, quando os Estados Unidos lançaram 20.000 toneladas de bombas em Hanói e Haiphong.

Image

Um soldado vietnamita monta guarda na área contaminada por dioxinas perto da base aérea de Bien Hoa, onde o Exército dos armazenou o desfolhante Agente Laranja durante a Guerra do Vietnã, na cidade de Bien Hoa, nos arredores da cidade de Ho Chi Minh, Vietnã, em 17 de outubro de 2018.

“Este anúncio representa o compromisso dos Estados Unidos com nossa parceria com o Vietnã”, disse Aler Grubbs, diretor da missão no Vietnã da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, com sede em Hanói. “Este contrato completará o trabalho preparatório crítico, abrindo caminho para a fase de tratamento do projeto.”

Algumas diferenças ainda permanecem entre os Estados Unidos e o Vietnã, desde os até o próprio Bien Hoa, onde os dois não conseguiram chegar a um acordo sobre um cemitério para ex-soldados do Vietnã do Sul, com o qual os EUA eram aliados contra os comunistas do Vietnã do Norte na guerra que terminou em 1975 com uma vitória norte-vietnamita.

A USAID disse que concluiu um projeto semelhante em 2018 para limpar o agente laranja e outros produtos químicos que pulverizaram em torno de Da Nang, no centro do Vietnã, para desfolhar a selva usada pelas forças comunistas para se esconder durante a guerra. Ele disse que, em comparação com Da Nang, Bien Hoa exigiria lidar com quatro vezes mais solo que foi contaminado com os produtos químicos, ainda ligados a defeitos congênitos.

ARQUIVO - Nesta foto de arquivo de maio de 1966, um C-123 da Força Aérea dos EUA voa baixo ao longo de uma rodovia sul-vietnamita pulverizando desfolhantes na densa floresta ao lado da estrada para eliminar locais de emboscada durante a Guerra do Vietnã.

ARQUIVO – Nesta foto de arquivo de maio de 1966, um C-123 da Força Aérea dos EUA voa baixo ao longo de uma rodovia sul-vietnamita pulverizando desfolhantes na densa floresta ao lado da estrada para eliminar locais de emboscada durante a Guerra do Vietnã.

Da mesma forma, amostras de tilápia coletadas em Bien Hoa em 2010 continuaram a mostrar níveis de Agente Laranja considerados insalubres, de acordo com um relatório do Ministério de Recursos Naturais e Meio Ambiente vietnamita e do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas.

“Estamos ansiosos para aplicar nossa experiência especializada para atender aos altos requisitos de segurança e saúde e especificações técnicas do projeto e contribuir para o sucesso geral do projeto”, disse Vu Van Liem, diretor geral da VINA E&C Investment and Construction JSC, a corporação local que recebeu o contrato para escavar o solo e prepará-lo para tratamento por um período de quatro anos.

Os governos dos EUA e do Vietnã estão participando de toda a limpeza em todo o país, que, segundo estimativas, levará mais de 10 anos a um custo de aproximadamente US$ 450 milhões. Washington disse que espera gastar US$ 300 milhões no final e alocou mais de US$ 163 milhões até agora.

As duas nações percorreram um longo caminho desde a guerra, embora continuem a ter problemas de desacordos. A América do Norte pressionou o governo autocrático do Vietnã constantemente para reconhecer a liberdade de expressão e libertar prisioneiros políticos, enquanto Hanói nega que tenha qualquer liberdade.

Em um dos desenvolvimentos mais recentes, por exemplo, o secretário de Estado dos EUA, Antony J. Blinken, disse em 2 de dezembro que o Vietnã seria colocado em uma “lista especial de observação por se envolver ou tolerar violações graves da liberdade religiosa”, juntamente com a Argélia, República Centro-Africana e Comores.

“Países que efetivamente protegem [a religião] e outros direitos humanos são parceiros mais pacíficos, estáveis, prósperos e confiáveis ​​dos Estados Unidos do que aqueles que não o fazem”, disse ele.

“Continuaremos monitorando cuidadosamente o status da liberdade de religião ou crença em todos os países do mundo e defendendo aqueles que enfrentam perseguição ou discriminação religiosa”.

O Ministério das Relações Exteriores do Vietnã não aceitou ser colocado na lista de observação.

“Recentemente, o Vietnã finalizou o sistema legal e as políticas de religião e crença”, disse o ministério em resposta em 15 de dezembro. “Esses esforços e conquistas para garantir a liberdade de religião e crenças foram amplamente reconhecidos pela comunidade internacional.”

No entanto, enquanto Washington pressionava o Vietnã em um problema, também tentava resolver outro. A remediação do Agente Laranja em Bien Hoa foi mais do que limpar uma bagunça décadas depois da guerra. Tratava-se também de olhar para as próximas décadas, mostrando uma cooperação mais estreita, como potencialmente na resolução de problemas ambientais no futuro.

“Isto marca o maior contrato da USAID com uma organização vietnamita local”, disse Grubbs, “enquanto fazemos um esforço conjunto para desenvolver a experiência vietnamita nesta área nascente de saúde e segurança ambiental”.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, janeiro de 2023.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.