Plástico: Microplásticos descobertos em pênis humanos pela primeira vez

Print Friendly, PDF & Email
Pênis Microplástico

Esta é uma imagem microscópica de partículas microplásticas no tecido do pênis. 
Revista Internacional de Pesquisa sobre Impotência.

https://edition.cnn.com/2024/06/19/health/microplastics-human-penises-study-scli-intl-scn-wellness/index.html

Jack Guy , CNN

19 de junho de 2024

[NOTA DO WEBSITE: Sendo uma tecnologia originária de uma visão de mundo arrogante e supremacista, típicas da masculina tóxica, tanto presente em homens como em mulheres, é muito sintomático que seus efeitos ocorram exatamente sobre seus ícones machistas, o pênis e os testículos. A pergunta que nos fica é: “e agora, José? O que fazer?” Pois esse é o derradeiro impasse da vida tecnocrática, plastificada e sintética que optamos para vivermos nossos dias. Com a desculpa da praticidade, da ‘falta de tempo', da ‘corrida da vida moderna', fizemos escolhas tanto de produtos de consumo=ultraprocessados, como nas formas de guardar, conservar e transportar todos os nossos itens de consumo e de convivência diária. Ainda só se constata, já que não se fazemos nada. Não porque estejamos imobilizados sem saber o que fazer, mas sim, dramaticamente, não nos movemos por estupidez mesmo. Por estarmos tão anesteciados que nos tornamos impotentes por preguiça, desleixo e irresponsabilidade pelo que estamos não só vivendo em nossos corpos, mas pela herança insolucionável que legamos para quem está vindo depois de nós. Triste fim que optamos dar às nossas vidas, inertes e esterilizadas].

Cientistas encontraram microplásticos em pênis humanos pela primeira vez, à medida que aumentam as preocupações com a proliferação dessas pequenas partículas e seus potenciais efeitos à saúde.

Sete tipos diferentes de microplásticos foram encontrados em quatro de cinco amostras de tecido peniano coletadas de cinco homens diferentes, como parte de um estudo publicado no IJIR/International Journal of Impotence Research: Your Sexual Medicine Journal na quarta-feira.

Image 17

Microplásticos são fragmentos de polímeros que podem variar de menos de 0,2 polegada (5 milímetros) até 1/25.000 de polegada (1 micrômetro). Qualquer coisa menor é um nanoplástico que deve ser medido em bilionésimos de metro. Eles se formam quando plásticos maiores se quebram,  seja por degradação química ou desgaste físico em pedaços menores.

Algumas partículas minúsculas podem invadir células e tecidos individuais em órgãos importantes, dizem especialistas, e há cada vez mais evidências de que elas estão cada vez mais presentes em nossos corpos.

O principal autor do estudo, Ranjith Ramasamy, especialista em urologia reprodutiva que conduziu a pesquisa enquanto trabalhava na Universidade de Miami, disse à CNN que usou um estudo anterior que encontrou evidências de microplásticos no coração humano como base para sua pesquisa.

Ramasamy disse que não ficou surpreso ao encontrar microplásticos no pênis, pois é um “órgão muito vascularizado”, como o coração.

As amostras foram coletadas de participantes do estudo que foram diagnosticados com disfunção erétil (DE) e estavam no hospital para passar por cirurgia de implantes penianos para tratar a condição na Universidade de Miami entre agosto e setembro de 2023.

As amostras foram então analisadas usando imagens químicas, que revelaram que quatro dos cinco homens tinham microplásticos no tecido peniano.

Sete tipos diferentes de microplásticos foram detectados, sendo o tereftalato de polietileno (PET) e o polipropileno (PP) os mais prevalentes, de acordo com o estudo.

Agora que sua presença foi confirmada, mais pesquisas são necessárias para investigar possíveis ligações com condições como DE, disse Ramasamy.

“Precisamos identificar se os microplásticos estão ligados à DE e se há um nível além do qual eles causam patologia e quais tipos de microplásticos são patológicos”, disse ele.

Quanto às implicações mais amplas das descobertas, Ramasamy disse que esperava que o estudo “criasse mais conscientização sobre a presença de corpos estranhos em órgãos humanos e promovesse mais pesquisas em torno deste tópico”.

Pesquisas anteriores descobriram que um litro de água engarrafada — o equivalente a duas garrafas de água de tamanho padrão — continha uma média de 240.000 partículas de plástico.

“Acho que precisamos estar atentos ao consumo de água e alimentos em garrafas e recipientes de plástico e tentar limitar o uso até que mais pesquisas sejam feitas para identificar níveis que podem causar patologias”, disse Ramasamy.

O toxicologista Matthew J. Campen disse à CNN que este é “um estudo interessante que confirma a ubiquidade dos plásticos no corpo”.

“Enquanto tentamos entender os potenciais efeitos dos plásticos na saúde, este é outro artigo preocupante”, disse Campen, professor titular de ciências farmacêuticas na Universidade do Novo México, em Albuquerque, que não estava envolvido na pesquisa.

“Os plásticos geralmente não reagem com as células e produtos químicos dos nossos corpos, mas podem ser fisicamente prejudiciais aos muitos processos que nossos corpos realizam para o funcionamento normal, incluindo funções relacionadas à ereção e à produção de espermatozoides.”

Campen foi coautor de um estudo publicado em maio que descobriu que os testículos humanos contêm microplásticos e nanoplásticos em níveis três vezes maiores do que os testículos de animais e placentas humanas.

O estudo testou 23 testículos preservados de cadáveres de homens que tinham entre 16 e 88 anos no momento da morte e, em seguida, comparou os níveis de 12 tipos diferentes de plástico nesses testículos com plásticos encontrados em 47 testículos de cães.

“Os níveis de fragmentos de e tipos de plástico em testículos humanos eram três vezes maiores do que aqueles encontrados em cães, e os cães estão comendo do chão”, disse Campen na época em que o estudo foi publicado. “Então, isso realmente coloca em perspectiva o que estamos colocando em nossos próprios corpos.”

Há medidas que você pode tomar para reduzir sua exposição aos microplásticos.

“Uma delas é reduzir nossa pegada de plástico usando recipientes de aço inoxidável e vidro, quando possível”, disse o Dr. Leonardo Trasande, diretor  de pediatria ambiental da NYUniversity Langone Health, em uma  entrevista anterior à CNN.

“Evite aquecer alimentos ou bebidas em plástico no micro-ondas, incluindo fórmulas infantis e leite humano extraído, e não coloque o plástico na máquina de lavar louça, porque o calor pode causar vazamento de produtos químicos”, disse Trasande, que também é o principal autor da declaração de política da Academia Americana de Pediatria sobre alimentares e .

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, junho de 2024.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.