Oregon chega a um acordo de quase US$ 700 milhões com a Monsanto por contaminação de PCB

Print Friendly, PDF & Email
Ascarel

Os presentes, até alguns anos atrás, em todos os transformadores do planeta. Mas não nos enganemos porque eles são usados em vários produtos nossos de cada dia… mesmo que pareça inacreditável!

https://www.opb.org/article/2022/12/15/oregon-settlement-monsanto-pcb-contamination-attorney-general-ellen-rosenblum/

Conrad Wilson (OPB/Oregon Public Broadcasting) e Cassandra Profita (OPB)

15 de dezembro de 2022 

A procuradora-geral Ellen Rosenblum disse que os compostos nos produtos da Monsanto continuam a poluir as terras e os cursos d'água do Oregon, muitas décadas depois que a empresa sabia que eram altamente tóxicos.

[NOTA DO WEBSITE: por que devemos conhecer o que o estado norte americano está fazendo com a e o PCB? Por duas razões básicas. A primeira é que a Monsanto foi a grande beneficiária, como indústria química, pela difusão global dessa família de moléculas artificiais -/policlorados bifenilos- mais conhecidos por sua marca comercial ASCAREL e que quer alegar de que não tem responsabilidade civil, ambiental, ética, social etc. por sua disseminação planetária. E, em segundo, porque no temos várias situações verdadeiramente dramáticas que aconteceram como no Rio de Janeiro em 1996 e outra em Florianópolis, em . Na primeira a população entrou num antigo depósito do metrô e furando o transformador, usou o óleo como se saudável fosse em todas as maneiras possíveis, até como óleo bronzeador e para fazer frituras. Já a de Florianópolis, houve um vazamento não intencional, contaminando a região da Tapera, próxima da Lagoa Peri, um reduto ambiental no sul da Ilha de Santa Catarina e com isso toda sua costa sul ficou contaminada, comprometendo todas as praias e o criatório marinho de ostras. Alguém responsabilizado? Somente as empresas que adquiriam os produtos vendidos no mercado e as produtoras originárias como a Monsanto, onde ficam? Nada tão redundante como essa penalização que Oregon está impondo à Monsanto. E no Rio? Será que não está na hora de no Brasil, nossa e principalmente o Ministério Público agir com esse foco da procuradora norte americana? E paralelo a mídia que tem concessão pública, comprometer-se, com sua responsabilidade pública, de alfabetizar a sociedade sobre tudo o que as multinacionais fazem, como esta norte americana sendo condenada pela própria autoridade norte americana por sua voracidade insaciável? E ISSO SE MOSTRA, POR MAIS INCRÍVEL QUE PAREÇA NA DEMONSTRAÇÃO DO CINISMO E DA ‘MALANDRAGEM' DOS ACIONISTAS NORTE AMERICANOS QUANDO VENDERAM A MONSANTO -DONA DE OUTROS TERRORES COMO O GLIFOSATO E O AGENTE LARANJA DA GUERRA DO VIETNÃ- PARA A MULTINACIONAL ALEMÃ, --, AGORA RESPONSÁVEL POR TODO ESSE PASSIVO. Acreditem, isso é real!!!]

Image 3

Transformador cheio de PCB, marca comercial -Ascarel-.

Image 4

A procuradora-geral do estado de Oregon anunciou na quinta-feira, dia 15 de dezembro, um acordo de quase US$ 700 milhões com a gigante da Monsanto por seu suposto papel na do estado ao longo de décadas com compostos tóxicos conhecidos como bifenilos policlorados, ou PCBs.

É o maior assentamento de poluição na história do Oregon e, de longe, o maior que a Monsanto pagou para lidar com os produtos químicos eternos que poluíram amplas áreas do estado.

ARQUIVO: Esta foto de arquivo de 31 de agosto de 2015 mostra o logotipo da Monsanto em exibição no Farm Progress Show em Decatur, Illinois.

ARQUIVO: Esta foto de arquivo de 31 de agosto de 2015 mostra o logotipo da Monsanto em exibição no Farm Progress Show em Decatur, Illinois.Seth Perlman / AP

“Os bifenilos policlorados causaram e continuam a causar um impacto devastador no ambiente natural do Oregon”, disse a procuradora-geral Ellen Rosenblum durante entrevista coletiva em Portland. “Eles ameaçam a saúde das pessoas que usam e desfrutam dos recursos naturais de nosso estado – nosso ar, nossa água, nosso solo, nossos peixes, praticamente tudo em nosso habitat.”

A Monsanto é conhecida hoje por fabricar o popular Roundup, mas desde a década de 1930 até pouco antes de sua proibição em 1979, a Monsanto era a única fabricante de PCBs nos Estados Unidos. Desde pelo menos 1937, a empresa sabia que eram prejudiciais. Os produtos químicos foram distribuídos por todo o Oregon em uma variedade de produtos, incluindo tinta, calafetagem e equipamentos elétricos.

O Departamento de Justiça do Oregon entrou com uma ação em 2018 no tribunal estadual. Nele, os advogados do estado escreveram que os PCBs são altamente tóxicos e podem prejudicar o sistema imunológico das pessoas.

“Mesmo quando a Monsanto tinha evidências contundentes dos perigos que os PCBs criam, a Monsanto continuou a inundar o país com esses materiais tóxicos”, de acordo com a denúncia do estado. “Os próprios documentos internos da Monsanto mostram que ela não estava interessada em proteger as pessoas ou o meio ambiente; em vez disso, sua única preocupação era proteger seu balanço patrimonial.”

A Monsanto não admitiu nenhuma irregularidade como parte do acordo.

Limpar

A contaminação por PCB é difícil de remover, pois os compostos se acumularam em aterros sanitários, cursos de água e vida selvagem por décadas.

Kevin Parrett, do Departamento de Qualidade Ambiental do Oregon, disse anteriormente à OPB que o estado vem limpando laboriosamente a poluição por PCB há três décadas. Muitas vezes é um processo mecânico que requer a remoção ou capeamento de sedimentos contaminados.

Os PCBs são um importante contaminante no local do Portland Harbor Superfund, que deve custar US$ 1 bilhão para limpar por meio de dragagem e cobertura do solo poluído no fundo do rio Willamette.

Especialistas dizem que a remoção de PCBs do meio ambiente é a melhor maneira de evitar que prejudiquem pessoas, peixes e animais selvagens. A Agência de Proteção Ambiental os classifica como um provável carcinógeno, e eles são conhecidos por prejudicar os sistemas imunológico, reprodutivo e nervoso em humanos e outros seres vivos.

Apesar do acordo considerável do estado, Rosenblum reconheceu durante a coletiva de imprensa de quinta-feira que ainda não havia dinheiro suficiente para limpar toda a poluição de PCB do estado.

A empresa de biotecnologia não respondeu ao pedido da OPB para uma entrevista na quinta-feira, depois que um juiz do Tribunal do Condado de Multnomah assinou o acordo.

“Os termos do acordo refletem os desafios únicos e os procedimentos de teste neste local de Oregon, embora a Monsanto tenha cessado voluntariamente a produção de PCBs em 1977 e nunca tenha fabricado, usado ou descartado PCBs no Oregon”, disse a Bayer, controladora da Monsanto, em comunicado.

Em documentos judiciais, a Monsanto argumentou que o Oregon estava errado ao afirmar que a empresa era a única fonte de contaminação de PCB do estado porque a Monsanto não fabricava os produtos químicos no Oregon e porque os produtos químicos também eram fabricados por outras empresas depois que a Monsanto parou de produzi-los.

“Na verdade, os PCBs são encontrados em muitos produtos de consumo hoje e usados ​​no Oregon”, disseram os advogados da empresa ao tribunal. “O estado pinta um retrato enganoso da antiga fabricação de PCBs da Monsanto”.

Um relatório do Departamento de Ecologia de Washington em 2014 descobriu que os PCBs ainda estavam aparecendo em produtos do dia a dia, como tintas, jornais e embalagens de papelão para alimentos.

Reivindicações

A Monsanto também disse ao tribunal que o estado de Oregon é responsável por parte da contaminação de PCB por causa de ações lideradas pelo estado, como o gerenciamento de águas pluviais que permite que os produtos químicos se espalhem nos rios e o uso do departamento de transporte estadual de materiais de descongelamento, tintas e calafetagem que contenham PCBs.

“PCBs são produtos químicos industriais altamente valorizados pelo governo e outros usuários por sua não inflamabilidade, estabilidade química, propriedades de isolamento elétrico superior e segurança”, disse a empresa. “Em 1977, o estado de Oregon adotou regulamentos determinando o dobro dos níveis federais de PCB em produtos e que o descarte seja permitido e seguro.”

Em seu comunicado, a Bayer disse que a empresa entrou com uma ação contra ex-clientes que compraram PCBs da Monsanto para recuperar seus custos de litígio. A empresa também entrou em acordos judiciais sobre PCBs com os estados de Washington, Ohio, New Hampshire e Novo México. Esses acordos variaram entre US$ 23 milhões e US$ 95 milhões.

O caso do Oregon contra a Monsanto levou anos para ser elaborado e chegou ao ponto de escolher um júri antes de ser resolvido, afirmou Rosenblum.

Os PCBs são encontrados em concentrações “surpreendentemente altas” em espécies selvagens mais altas na cadeia alimentar e entraram no suprimento de alimentos, disse Rosenblum na quinta-feira. Em alguns casos, disse ela, os PCBs afetaram a saúde de peixes, pássaros, baleias e outros mamíferos, “até prejudicando sua capacidade de reprodução”.

A OPB e a ProPublica recentemente pagaram para que o salmão do rio Columbia fosse testado quanto a contaminantes e encontraram PCBs no peixe premiado que tantas pessoas comem – especialmente em comunidades tribais.

“Enquanto muitos de nós podemos evitar comer peixe de águas impactadas, há muitas comunidades que pescam em Willamette e Columbia, porque precisam complementar sua dieta com peixe ou porque o peixe é vital para suas tradições culturais ou tribais”, Rosenblum disse. “Portanto, o impacto dos PCBs é particularmente prejudicial para essas comunidades.”

Oregon planeja colocar o pagamento de quase US$ 700 milhões em um fundo para uso futuro.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, dezembro de 2022.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.