Globalização: Em vez de agenda verde, EU decide priorizar competitividade

Print Friendly, PDF & Email
União Europeia Apela

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, fala a jornalistas em BruxelasFoto: Omar Havana/AP/dpa/picture alliance

https://www.dw.com/pt-br/ue-recalcula-rota-e-vai-priorizar-competitividade-em-vez-de-agenda-verde/a-69516260

ra (DW, AP)

29.06.24

[NOTA DO WEBSITE: É incrível como a política vai de A a Z num piscar de olhos. A Europa, o centro ideológico da civilização ocidental nos últimos 500 anos, está agora num lado da balança, pesando mais, que nos tira, o mundo dominado por essa ideologia civilizatória, a esperança de que novos tempos, mais amenos e condizentes com a sobrevivência planetária e harmonia entre todos os seres, caia numa penumbra cheia de icógnitas. A possibilidade de criar um novo paradigma para as relações entre as nações globais, está numa estranha encruzilhada. Não sabemos ainda o que está por trás dessa reviravolta de se buscar um caminho mais ‘verde', indo para um caminho mais individualista, bélico e que tem nos mostrado ser devastador dos ambientes, humanos e não-humanos. Com isso estamos em suspense, desconfiados de que os avanços ambientais e de controle da do indigno e cruel que grassa no planeta, estejam caindo por terra. Agora é esperar e acreditar no bom senso e na doutrina do ‘amor ao próximo'. E que não seja jogado no , definitivamente, como tem sido].

Além de definir novos cargos do alto escalão, cúpula do bloco aprovou plano para os próximos cinco anos que põe a economia antes da proteção do clima.

Além de definir os novos cargos do alto escalão da União Europeia e endossar a recondução de Ursula von der Leyen à presidência da Comissão Europeia, a reunião de cúpula do bloco, encerrada na noite de quinta para sexta-feira (28/06), terminou com uma reorganização da lista de prioridades no bloco: e competitividade em primeiro lugar, com a proteção do clima subordinada a esse objetivo maior.

“Vamos fechar os gaps de crescimento, produtividade e inovação entre nós e nossos parceiros internacionais e concorrentes. Isso requer grandes esforços conjuntos nos investimentos, na mobilização de recursos públicos e privados”, consta da declaração do encontro, que dedica a maior parte de suas linhas ao resgate da competitividade do bloco.

Intitulado “agenda estratégica”, o documento de oito páginas detalha os objetivos políticos da UE e dá a von der Leyen, caso ela seja reconduzida à chefia do bloco, uma orientação concreta de governo.

Desenvolvimento, produção e geração de valor de tecnologias de ponta devem, no futuro, ocorrer mais dentro da UE. Além disso, o bloco quer diminuir a dependência de importações da China, de outros países asiáticos e dos .

Especialmente crítico foi o tom da Comissão Europeia em relação à Alemanha, maior economia da UE: os investimentos são lentos e falta dinamismo.

Image 33

Produção de semicondutores em Barcelona: UE quer voltar a criar cadeias de abastecimentoFoto: JOSEP LAGO/AFP via Getty Images

Acordo Verde Europeu em segundo plano

Diferentemente de 2019, desta vez o documento que esboça a nova linha de governo da UE já não menciona uma política climática ambiciosa: “Agiremos com pragmatismo em nosso caminho rumo à neutralidade climática em 2050.”

Para os líderes europeus, a política climática – cuja visão foi expressa na legislatura anterior no Acordo Verde Europeu – não é um fim em si mesmo, e sim deve estar a serviço do fortalecimento da competitividade e da soberania energética da Europa.

Eurodeputado verde, Michael Bloss criticou o posicionamento, afirmando que o Acordo Verde não é uma “questão secundária”, e sim “o projeto central para tornar a economia competitiva e sustentável e alcançar as metas climáticas”. “O Acordo Verde precisa continuar”, frisou.

Ampliação do bloco como meta estratégica

Presidente do Conselho Europeu em fim de cargo, Charles Michel argumentou que, diante da guerra de agressão russa à Ucrânia e da situação geopolítica cada vez mais insegura com a China e uma possível volta de Donald Trump ao comando dos Estados Unidos, a UE precisa se concentrar mais na própria segurança e defesa.

Isso pressupõe, segundo Michel, a ampliação do bloco com a incorporação de seis novos países nos Bálcãs, bem como da Ucrânia e da Moldova – o que, por sua vez, pressupõe a realização de reformas que vêm sendo exigidas por alguns líderes europeus há anos, como o francês Emmanuel Macron.

“Precisamos verificar nosso processo e nossa capacidade de absorção”, afirmou Michel. “Precisamos pensar como uma expansão vai afetar as diferentes áreas políticas da UE, seu financiamento e nossos métodos de tomada de decisão.”

O primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, que na segunda-feira assumirá a presidência rotativa do Conselho da UE, está satisfeito com o foco na competitividade para a agenda do bloco, mas também pressiona pela cooperação com Rússia e China. O líder nacionalista de direita prefere deixar de lado a guerra contra a Ucrânia e outros temas controversos como migração, Defesa ou Estado de Direito.

Contudo, o Estado de Direito, a proteção da e a defesa dos valores fundamentais europeus também são uma parte central da agenda estratégica da UE. “Asseguraremos e expandiremos o respeito pelo Estado de Direito, pois ele é a base para a cooperação europeia”, consta do documento. A UE há anos acusa a Hungria justamente de não respeitar esse princípio.

Novos nomes para o alto escalão da UE

Pelo acordo preliminar entre os líderes do bloco, a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, assumirá a chefia da diplomacia da UE, e o ex-ministro português Antonio Costa, a presidência do Conselho Europeu.

Já von der Leyen recebeu o aval do centro-direitista Partido Popular Europeu (PPE), dos Socialistas e Democratas e dos liberais do Renovar a Europa para ser reconduzida à chefia da Comissão Europeia, órgão executivo da UE.

Image 32

O provável novo comando da UE pelos próximos cinco anos: Ursula von der Leyen à frente da Comissão Europeia, Antonio Costa no Conselho Europeu e Kaja Kallas como chefe da diplomacia. Foto: Zhao Dingzhe/Xinhua/IMAGO/Sean Gallup/Getty Images/LUDOVIC MARIN/AFP via Getty Images

O acordo foi rejeitado parcialmente ou totalmente pela maioria dos políticos europeus de ultradireita, incluindo Orbán e a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni.

Kallas, que era cotada para a presidência da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), se cacifou para a diplomacia europeia com a sua retórica firme contra a Rússia. A confirmação tanto dela quanto de von der Leyen, porém, ainda depende de aprovação por maioria em votação em julho pelo novo Parlamento Europeu. Já Costa deve ser empossado em dezembro.

Com informações de Bernd Riegert, em Bruxelas.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.