Emeregência climática: Como as alterações climáticas estão provocando uma epidemia global de problemas de saúde imunitária e como travá-los

Print Friendly, PDF & Email
Imagens De Solitáios

Um horizonte nebuloso de Manhattan em julho passado, quando a cidade de Nova York e partes de Nova Jersey estavam sob alerta de qualidade do ar devido a incêndios florestais no Canadá. GETTY

https://www.statnews.com/2024/04/04/climate-change-driving-immune-health-problems/

STATReporting from the frontiers of health and medicine

Kari Nadeau, MD, Ph.D., é Professora John Rock de Estudos Climáticos e Populacionais na Escola de Harvard TH Chan.

04 de abril de 2024

[NOTA DO WEBSITE: Uma matéria como essa de uma médica que atua exatamente nessa área, destaca, como faz, o que representa para a sociedade como um todo, os efeitos sobre sua saúde das . É uma joia. Estimula-nos a pensar como, individualemente, podemos agir dentro de nossas limitações, para contribuirmos efetivamente para aplacar esses prognósticos sobre essas realidades extremas do . Vivemos, no aqui e agora, plasmadas no Rio Grande do Sul/ e Afaganistão, concomitamentemente, essas enchentes arrasadoras. Assim essas informações aqui compartilhadas por essa médica, ratifica todas as outras que tratam desse mesmo tema. Temos que nos insurgir contra esse paradigma do supremacismo branco eurocêntrico que se considerando efetivamente superior, faz ouvidos moucos inclusive para cientistas de sua mesma civilização porque não interessa à doutrina do indigno e cruel saber dessas ‘coisas'. Mostra que não enxerga um palmo além de seu nariz, a não o dinheiro a quem devota todo seu amor, sua competência, seus saberes e sua visão de mundo. Até porque muito dos atuais ‘donos do mundo', cinicamente, não sofrerão os efeitos nefastos de suas ações irresponsáveis e criminosas. Ou porque já terão morrido ou porque terão condições de criar seus oásis para desviarem e/ou suportarem aquilo que a população planetária sofrerá, indefesa, em sua própria carne].

Qualquer um dos efeitos das alterações climáticas ocorre em grande escala: ondas de calor que atingem continentes inteiros. Inundações que submergem vastas áreas de nações insulares e áreas costeiras continentais. Outros efeitos são muito menos visíveis porque ocorrem dentro do corpo das pessoas.

Isso não os torna menos perigosos.

As doenças ligadas a problemas de saúde imunológica têm aumentado constantemente nas últimas décadas. As alergias nasais em crianças mais que duplicaram entre 2012 e 2022. As alergias alimentares, que podem ser mortais, também aumentaram. A prevalência global da artrite reumatóide aumentou 14% desde 1990. Os jovens estão cada vez mais vulneráveis ​​ao câncer colorrectal.

É certo que as alterações climáticas não são as únicas culpadas: dietas ricas em alimentos ultraprocessados, falta de exercício, elevados níveis de stress e melhores testes provavelmente contribuem para o aumento das taxas de doenças. No entanto, há também fortes evidências, tanto a nível biológico como epidemiológico, de que o ambiente desempenha um papel crucial no aumento de doenças imunomediadas. Tal como eu e um grupo de colegas dos e da Europa acabamos de relatar no Frontiers in Science, os fatores de stress provocados pelo clima estão impulsionando a disruptura imunitária num âmbito que tem contribuído para um aumento de doenças imunomediadas.

Como médico e cientista, acredito que esta epidemia de doenças imunológicas deve ser tratada na sua origem. E isso inclui combater as alterações climáticas.

As alterações climáticas desequilibram o sistema imunitário humano de duas maneiras principais: quebram as defesas do corpo e também impedem que o corpo as reconstrua.

Consideremos a grande variedade de irritantes que as alterações climáticas trazem rotineiramente às comunidades em todo o mundo. Os incêndios florestais liberam quantidades perigosas de minúsculas partículas de fuligem no ar. As inundações despejam produtos químicos industriais nos cursos de água e muitas vezes deixam esporos de mofo brotando nas casas. As fontes excepcionalmente quentes aumentam a produção de ambrósia e outros pólens. Todas estas exposições danificam as estruturas que evoluíram para proteger os seres humanos contra infecções, incluindo a pele e as membranas mucosas do intestino e dos pulmões.

Em primeiro lugar, como é que as alterações climáticas tornam mais difícil a construção de sistemas imunitários fortes? Os humanos precisam de dietas nutritivas e de exposição a uma vasta gama de espécies microbianas, fúngicas, vegetais e animais para treinar e manter um sistema imunológico robusto. Tudo isso está ameaçado pelas alterações climáticas. Os climas mais quentes alteram irrevogavelmente os ecossistemas, forçando as espécies a deslocarem-se ou a extinguirem-se. Para os humanos que ficaram para trás, menos interações com diversas espécies significam um sistema imunitário menos resiliente.

As condições meteorológicas extremas também destruíram colheitas e gado em muitas partes do mundo, levando a um aumento alarmante da fome e da escassez. Mesmo quando as culturas crescem, podem não ser tão nutritivas: alimentos básicos como o trigo, o milho, o arroz e a  perdem um conteúdo significativo de nutrientes quando expostos a elevados níveis de dióxido de carbono na atmosfera. A desnutrição também impede o desenvolvimento saudável do sistema imunológico.

O impacto de todos estes fatores de stress é visível a nível celular. Os cientistas rastrearam o impacto de muitas exposições através de cascatas de interações químicas que danificam as barreiras protetoras do corpo e perturbam o delicado equilíbrio do sistema imunológico. Em muitos casos, isso realmente ativa a resposta inflamatória do corpo e o mantém ligado, mesmo quando deveria ser desligado. Essa inflamação persistente alimenta uma série de doenças, incluindo o .

Os cientistas compreendem porque é que cada vez mais pessoas em todo o mundo registam taxas mais elevadas de doenças imunomediadas. A questão agora é se algo pode ser feito a respeito.

Felizmente, a resposta é um inequívoco sim.

No nosso artigo publicado na Frontiers in Science, os meus colegas e eu analisamos o aumento global das doenças imunomediadas. Concluímos que cada dólar gasto na mitigação das alterações climáticas pouparia pelo menos três dólares em custos de saúde. Trata-se de um retorno do investimento impressionante – e nem sequer leva em conta a redução do sofrimento humano.

Estas melhorias não são hipotéticas; onde as políticas mudaram, os benefícios para a saúde seguiram-se. Nas décadas de 1980 e 1990, por exemplo, os esforços para combater a nos EUA levaram a uma diminuição dramática das partículas finas de fuligem no sul da Califórnia e reduziram a incidência de asma entre as crianças locais em 20%. Em Seul, na Coreia do Sul, as políticas de ar limpo evitaram meio milhão de visitas hospitalares por asma ao longo de quatro anos.

Existe agora uma necessidade urgente de implementar tais políticas à escala global.

Os meus colegas e eu apelamos a uma atenção renovada no equilíbrio entre as necessidades humanas e as necessidades dos ecossistemas para se proteger a saúde do nosso planeta e da sua população. Instamos a uma ação global rápida para se reduzir as emissões de gases de efeito de estufa provenientes de atividades que incluem a , a gestão de resíduos e os transportes.

A resolução dos problemas de saúde imunitária à escala global exigirá também grandes investimentos na segurança alimentar e na agricultura sustentável, numa tentativa de melhorar o acesso de todas as comunidades a alimentos nutritivos. Os decisores políticos podem promover a exposição dos seus cidadãos a uma vasta gama de vida vegetal e animal — o que também promove sistemas imunitários fortes — criando e protegendo mais espaços verdes e incentivando o acesso a ecossistemas mais selvagens, como os parques nacionais.

Até a política habitacional pode ser aplicada nesta crise: fundos para ajudar as pessoas a fortalecerem as suas casas contra a devastação das condições meteorológicas extremas, remover o bolor e melhorar a qualidade do ar interior podem ajudar a reduzir a exposição a irritantes imunitários.

Além de mudanças políticas ousadas, os EUA e outros governos devem financiar mais investigação centrada na compreensão dos problemas de saúde imunológica no contexto das alterações climáticas. Isto exigirá investimentos globais na coleta e análise de dados, bem como esforços concertados para avaliar o impacto das estratégias de mitigação e adaptação na saúde da população. São necessários novos modelos econômicos que levem em conta melhor os benefícios para a saúde das políticas concebidas para reduzirem as emissões de gases de efeito de estufa. Estes deverão ajudar a tornar a defesa dessas políticas ainda mais forte.

Acima de tudo, é essencial que cientistas, médicos, jornalistas, políticos — qualquer pessoa com uma plataforma, na verdade — continuem a explicar ao público que as alterações climáticas têm efeitos muito reais nos corpos humanos. Eles não estão distribuídos uniformemente pelo mundo; algumas comunidades e regiões são mais vulneráveis ​​do que outras. Devemos trabalhar juntos para combatermos esta ameaça compartilhada.

A força destrutiva das alterações climáticas já está se manifestando numa epidemia de problemas de saúde imunológica. Só agindo agora é que os piores danos poderão ser evitados.

Tradução livre, parcial, de Luiz Jacques Saldanha, maio de 2024

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *