Desmatamento na Amazônia

Print Friendly, PDF & Email
Desmatamento na . Relatório mostra desaceleração do desmatamento entre 2000 e 2013, mas taxas continuam elevadas; um estado de SP foi perdido.
http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/Estudo-levanta-ltimos-anos-de-desmatamento-na-Amazonia/
zoom (© Daniel Beltrá / Greenpeace)

 

A Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (RAISG) lançou hoje uma nova publicação que revela o desmatamento acumulado e suas tendências para todos os países que compõem a . O estudo estima que entre 2000 e 2013 foram desmatados 222.249 km2 , o que equivale quase o tamanho do Estado de São Paulo.

A Amazônia é uma floresta que se espalha pelo , Equador, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Peru. Segundo a RAISG, o desmatamento acumulado até 2013 corresponde a 13,3% da cobertura florestal original da Amazônia, estimando que a maior perda de floresta (9,7%) ocorreu principalmente entre 1970 e 2000, enquanto que entre 2000 e 2013 a perda ficou em 3,6%.

Acesse aqui o relatório em espanhol e aqui um resumo em português.

Essa desaceleração na perda da cobertura original da floresta foi conjunta entre todos os países, com exceção da Venezuela, que viu a destruição florestal aumentar em relação a última medição (2005-2010). No entanto, o país perdeu apenas 3,3% de sua cobertura.

zoom Mapa do desmatamento na Amazônia, com legendas em espanhol (Fonte: RAISG)

 

A Amazônia brasileira apresentou queda nos índices de desmatamento a partir de 2006, mas a região ainda conta com uma perda florestal de 174 mil km2 entre 2000 e 2013 – 5% da superfície original da floresta, área maior que o estado do Ceará.

O estudo alerta também para a forte pressão existente sobre as nascentes das grandes bacias hidrográficas que estão localizados nos países andinos, como a Bacia do Amazonas. Diferentes atividades econômicas como o , a construção de e mineração representam uma grande ameaça para a manutenção das , para a água e também para o solo, além das populações tradicionais que ali habitam e da floresta dependem.

Leis brasileiras não ajudam

O estudo da RAISG ainda lembra ainda que o Congresso brasileiro aprovou em 2012 o novo (Leis nº 12.651 e 12.727), que reduz as Áreas de Proteção Permanente (APP), é confuso em relação aos critérios de restauração florestal e diminui a Reserva Legal, que é uma área de propriedade privada onde a vegetação original não pode ser destruída. “Uma conquista para a Confederação Nacional da (CNA)”, diz o texto.

No primeiro ano de sua vigência, o desmatamento da Amazônia brasileira foi de quase 6 mil km2, um aumento de 28% em relação ao PRODES anterior, que é o sistema de monitoramento oficial medido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

“O desmatamento não é mais necessário na Amazônia”, defende Rômulo Batista, da Campanha da Amazônia do Greenpeace Brasil. “Existem milhares de quilômetros quadrados desmatados na Amazônia que estão abandonados ou que produzem muito abaixo do seu potencial. Essa área é suficiente para suprir todo o crescimento da agropecuária do Brasil, sem que seja necessário derrubar uma árvore, sequer.”

Para a RAISG, a crescente demanda por carne e biocombustíveis e o aumento do número de blocos de concessão de e gás, além da redução da proteção florestal às custas do novo Código Florestal e o incentivo a grandes obras de infraestrutura, são as maiores preocupações para o futuro da Amazônia brasileira.

“Todos nós sabemos da importância da Amazônia, seja na regulação climática, no fornecimento de chuvas para todo Brasil e outros países, assim como na conservação da e todos os povos da floresta que são seus grandes guardiões. Para garantir que esse bem maior de todos brasileiros não vire fumaça, o Greenpeace encaminhará em breve para o Congresso Nacional uma lei de iniciativa popular que já conta com apoio de mais de 1,4 milhão de brasileiros pelo desmatamento zero de todas as florestas do Brasil”, finaliza Batista.

Os dados da publicação foram obtidos pelos sócios da RAISG mediante a análise de imagens de satélite combinada com análises geográficas em sistemas georreferenciados.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.