mapaativos Primeiro mapa global dos ativos ecossistêmicos é apresentado pelo PNUMA

Entre os ‘ativos ecossistêmicos’ estão a biodiversidade, a água potável, o carbono orgânico, os estoques pesqueiros e a qualidade do solo. O mapa do PNUMA é baseado em um relatório que contém conceitos e informações sobre o assunto.

O mapa revela os hotspots para múltiplos “ativos”, por exemplo, nas áreas remanescentes de florestas.

No geral, é possível constatar que os “ativos marinhos” estão concentrados no sudeste asiático e ao longo da zona costeira (especialmente na costa oeste da América do Sul, África e Europa). Já os “ativos terrestres” se concentram em regiões equatoriais e em parte do Canadá e da Rússia.

O WCMC ressalta a significância global e a necessidade de priorização de conservação e restauração que deve ser dada a essas áreas, mas alerta que mapeamentos locais precisam ser feitos para identificar outros locais importantes que não foram considerados em escala global.

Além disso, é enfatizado que os recursos naturais e o valor monetário dos ativos ecossistêmicos não estão incluídos nesse relatório e que uma avaliação de ambos os fatores é o próximo passo para “a compreensão integral da contribuição do capital natural para o bem-estar humano”.

“Os ativos ecossistêmicos representam apenas uma parte do capital natural. Visando produzir um mapa global abrangente do capital natural, toda a gama de ativos ecossistêmicos e recursos naturais precisa ser mapeada”, pondera a publicação.

Assim, o relatório foca nos ativos ecossistêmicos, um dos componentes do capital natural, segundo os conceitos assumidos pelo WCMC. Os ‘ativos’, segundo a publicação, são os estoques que permitem o fluxo dos serviços ecossistêmicos que beneficiam a humanidade.

Segundo a Convenção sobre Diversidade Biológica, pelo menos 40% da economia global e 80% das necessidades dos pobres são derivadas de recursos biológicos.

* Publicado originalmente no site CarbonoBrasil.