Por que evitar o material de espuma de , ‘’ ou ‘estiropor’?

Este produtos de espuma contêm a , o químico estireno, que foi conectado (linked to) ao câncer, à perda de visão e audição, enfraquecimento da memória e da concentração, e a efeitos sobre o sistema nervoso…e a lista segue… O que acontece quando se come alimentos ou líquidos quentes em copos e pratos feitos de ‘’? O monômero ou a substância se libera (leaches out) da espuma de e entra direto em nosso corpo.

O é este tal químico problemático e está incluso numa lista negra de produtos perigosos e por isso estamos encorajando de que os varejistas abandonem os produtos feitos com ele.

Como muitos químicos, sabemos sobre seus efeitos à saúde pela exposição dos trabalhadores. Efeitos prolongados (prolonged effects) da exposição crônica do que muitos trabalhadores da indústria enfrentam, são: depressão, dores de cabeça crônicas, fatiga e fraqueza, e efeitos menores sobre as funções dos rins e do sangue. O Departamento do Trabalho, a Agência de Saúde e Segurança Ocupacional e a EPA estão conscientes dos efeitos negativos do (nt.: vale ressaltar que  este texto é de maio e ainda não tinha sido emitido o parecer da Academia Nacional de Ciência dos EUA, agora em julho de 2014, com o definitivo enquadramento do como carcinogênico humano), mas ainda não limitaram com sucesso seu emprego. Esta é uma das muitas razões da necessidade de uma reforma política tanto na Agência de Saúde e Segurança Ocupacional como na lei sobre substâncias tóxicas no sentido de proteger nossa força de trabalho norte americano.

  • : um subproduto do petróleo que pode ser encontrado nos produtos , em resinas plásticas e em espumas como o ‘’. É um químico tóxico que é usado para fazer um polímero, o poli. Estojos de CDs e DVDs, embalagens de produtos alimentícios, malas e bagagens. Se mencionarmos seu nome, em algum produto este químico deve estar.
  • Poli (polystyrene): Criado da polimerização do monômero , formando-se o polímero poli que é leve , isolante e que pode se apresentar tanto na forma líquida como sólida.
  • Espuma de ou ‘’: É na verdade uma espuma de poli expandida (nt.: em inglês – “extruded polystyrene foam/E), mas que denominamos (nt.: no Brasil) de ‘’ (nt.: marca registrada da Knauf) e nos EUA de ‘Styrofoam’. Ela é feita do ‘’ e é empregada em muitas utilidades como prancha de surf, barcos, sacos de grãos como feijão e, claro, copos e pratos descartáveis.

Impactos ambientais.

Em 1986 a agência ambiental dos EUA, a EPA, liberou um relatório relacionando de que o processo de fabricação do poli (polystyrene manufacturing process) como sendo o quinto processo industrial criador de resíduos prejudiciais. 57, cinquenta e sete, subprodutos químicos são liberados durante a fabricação do polímero poli, poluindo o ar, a água e as comunidades que vivem perto dos complexos industriais.

Como se o impacto sobre a do poli não fosse suficiente, seus efeitos ambientais estão muito bem documentados. Leva 500 anos para se decompor e ocupa de 25 a 30% dos aterros de lixo globais. Além disso, nossos lagos, vias navegáveis e os oceanos estão sofrendo graças ao lixo do ‘’. Existem 57 subprodutos químicos (57 chemical by-products) liberados durante a fabricação do , poluindo nosso ar e nos mananciais hídricos. O ‘’ faz algum tempo que não é fabricado com o gás CFC (notório químico que destrói a camada de ozônio), mas ainda usam o gás HFCs (hidrofluorocarbonos) e que estão também conectados à agressão à camada de ozônio (ozone layer) e afetando o aquecimento global (global warming) (nt.: ver – http://nossofuturoroubado.com.br/corporacoes/detectados-na-atmosfera-quatro-novos-gases-prejudiciais-a-camada-de-ozonio).

(Photo Credit: calonda via photopin cc)

Onde o é encontrado?

O não é só encontrado em produtos de espuma expandida.

Plástico, borracha sintética, carpetes e mesmo em embalagens de amendoim todos eles têm traço (traces) de . Então nossas chances de exposição vêm de uma grande variedade de fontes. De acordo com a agência norte americana que trata da saúde e da segurança ocupacional (according to OSHA), aproximadamente 90.000 trabalhadores que estão fabricando botes, tubos e chuveiros estão potencialmente exposto ao no processo de fabricação.

Existem alternativas?

Sempre recomendamos que as pessoas optem por pratos, copos e utensílios reutilizáveis antes de comprarem produtos descartáveis. Isso reduz tanto os resíduos e lixos como reduzir a exposição de todos a contaminação com químicos tóxicos.

Alternativas seguras incluem: pratos de bambu e outros utensílios reutilizáveis, papéis reciclados e algumas resinas plásticas originárias de milho, por exemplo. De acordo com a Fundação ‘Earth Resource’ (according to Earth Resource), em cada tonelada de consumo de papel 100% reciclado podemos poupar:

  • 12 árvores;
  • 500 quilos de lixo sólido;
  • 1.560 quilowatts de energia (2 mês de energia elétrica pela média de consumo doméstico dos EUA);
  • 3.800 litros d’água;
  • 1.976 libras de gases de efeito estufa (700 quilômetros de viagem na média de um carro dos EUA);
  • 2.300 metros cúbicos de espaço de aterro de lixo;
  • 18 quilos de vários químicos tóxicos (HA, VOCs e AOXs combinados);
  • 1.600 quilos de petróleo.

O que se pode fazer.

O é muito difícil de reciclar, assim muitos estão optando evitar completamente o produto. Muitas escolas e cidades estão banindo os produtos feitos de ‘’ e muitos varejistas estão começando a oferecer produtos biodegradáveis.

Podemos evitar os copos e as embalagens de ‘’ que são identificados usualmente com o número 6 no símbolo de reciclagem no fundo das embalagens e a sigla . Quando se for adquirir alimentos por telefone, perguntar se eles oferecem opção sem ‘’ e encoraje o restaurante a trocar as embalagens de entrega, por feitas de papel. Da mesma forma quando for comprar em supermercados, quitandas e bares, selecionar itens que sejam sem embalamento de ‘’ ou com materiais livres de .

Idealmente, nós não precisaríamosestar procurando por químicos tóxicos escondidos nos produtos que compramos.

Tradução livre de Luiz Jacques Saldanha, agosto de 2014.