Emergência climática: No Pantanal, incêndios disparam mais de mil por cento e bacia do rio Paraguai tem seca recorde

Print Friendly, PDF & Email
Seca Rio Paraguai

https://climainfo.org.br/2024/06/10/no-pantanal-incendios-disparam-mais-de-1-000-e-bacia-do-rio-paraguai-tem-seca-recorde

ClimaInfo, 11 de junho de 2024.

[NOTA DO WEBSITE: A doença que assola os chamados ‘ruralistas' de devastar, destruir, arrasar e o que for preciso para chegar ao ‘dinheiro', torna-os completamente cegos. Já que matam não só toda a flora e a fauna endêmicas, por sua fauna bovina, como matam também toda a perspectiva de futuro. Estão matando na verdade a água, um dos elementos imprescindíveis inclusive para sobrevivência de seus ‘bezerros de ouro' que famintos e sedentos jamais alcançarão ‘níveis de mercado', seu objetivo último. A pergunta é: como podemos, como sociedade brasileira, colocá-los em camisas de força para que sua loucura não nos leve a todos a sermos os próximos sedentos e famintos? A tendência é, com suas piromania e arrogância supremacista, gerar a destruição definitiva dos ‘rios voadores', os que mantêm o sul e o sudeste verdes, abundantes e generosos pela possibilidade de se fazer a produção de alimentos que nutre a maior parte da população do país que vive nas costas do Atlântico].

Até a 1ª semana de junho, focos de incêndio somaram 1,1 mil em 2024, número 1.025% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. 

A situação das queimadas no Pantanal continua causando preocupação. Dados do Programa BDQueimadas, do INPE, indicaram que entre janeiro passado e a 1ª semana de junho o número de incêndios chegou a 1.193 focos, o que representa uma alta de 1.025% em relação ao mesmo período no ano passado, quando foram registrados 106 focos de incêndio.

Image 18

Curso do rio Paraguai.

A explosão das queimadas é generalizada em todo o Pantanal. No estado do Mato Grosso do Sul, que concentra 60% da área do bioma, o INPE identificou 698 focos entre janeiro e os primeiros sete dias de junho, número bem acima dos 62 registrados no mesmo período em 2023. Já no Mato Grosso, que responde pelos 40% restantes do bioma, outra alta considerável: o número de focos saltou de 44 no ano passado para 495 agora.

Os números atuais indicam uma situação preocupante para os próximos meses, quando o período seco se intensifica na região pantaneira. A ocorrência de queimadas, que costuma começar a partir de julho, acabou antecipada por conta das condições climáticas mais quentes e secas no bioma, prejudicado por mais uma temporada chuvosa abaixo da média histórica.

Outro reflexo das condições secas do Pantanal é o nível do rio Paraguai. Segundo o Serviço Geológico do (SGB), o principal rio pantaneiro está cerca de 2 metros abaixo da média histórica a essa altura do ano na região de Ladário, próximo a Corumbá. No mês passado, a Agência Nacional de Águas (ANA) declarou “situação crítica de escassez” na bacia do Paraguai. 

“O que está acontecendo hoje é resultado de um processo que começou no final de 2023. Ano passado, o El Niño forte fez com que o final do período seco se prolongasse. No começo deste ano, os níveis [dos rios] estavam muito baixos e a estação chuvosa foi muito fraca”, explicou Marcus Santana, pesquisador do SGB, ao g1. “O que está acontecendo é a antecipação, considerável, de um problema mais grave que pode ocorrer de seca entre setembro e outubro”.

A intensificação da seca e do fogo tem desafiado o delicado equilíbrio ecossistêmico do Pantanal. Como a pesquisadora Cynthia Santos, do WWF-Brasil, explicou ao UOL, a recorrência do fogo em várias áreas do bioma prejudica sua capacidade de regeneração, o que pode resultar em mudanças nas características do próprio bioma.

“[O Pantanal] tem uma dinâmica específica, que obedece o ciclo de águas e secas, que favorecem a manutenção de plantas aquáticas e depois terrestres. Essas alterações estão ocorrendo de forma muito rápida e, aliada a isso, existe uma veloz conversão da parte alta do de para , com intensificação do plantio de . O ambiente não tem tempo de se reformular”, disse.

TV Cultura e IG Último Segundo também repercutiram os dados do INPE sobre as queimadas no Pantanal. Já Um Só Planeta abordou os fatores por trás da intensificação do fogo nos últimos meses.

Gosta do nosso conteúdo?
Receba atualizações do site.
Também detestamos SPAM. Nunca compartilharemos ou venderemos seu email. É nosso acordo.